2 eventos ao vivo

Matador, Brasil faz 3 na Argentina e se garante no Mundial

5 set 2009
23h21
atualizado em 6/9/2009 às 01h18

Nem mesmo a mudança do tradicional Monumental de Nuñes para o "caldeirão" do Gigante de Arroyito, em Rosário, foi suficiente para reabilitar a Argentina nas Eliminatórias e impedir a classificação antecipada do rival Brasil à Copa do Mundo de 2010. Diante de imensa pressão e provocações que marcaram a semana, a equipe de Dunga ignorou a história ao vencer por 3 a 1 neste sábado, o que representa o primeiro triunfo verde e amarelo nos duelos válidas pelas classificatórias do Mundial.

» Veja fotos de Argentina x Brasil
» Veja fotos da torcida em Rosário
» Confira a classificação atualizada
» Veja tabela e resultados da 15ª rodada
» Comente a vitória brasileira em Rosário

Ao calar o "alçapão argentino" diante dos maiores rivais, os pentacampeões mundiais e líderes na América do Sul alcançam os 30 pontos em 15 rodadas disputadas e já não podem mais ser ultrapassados por outras quatro equipes, já que a Colômbia, atual quinta colocada, tem dez a menos, restando três jogos para o fim do torneio. Enquanto isso, a Argentina, com 22, ocupa apenas o quarto lugar e vive a ameaça de não ir à África do Sul.

Em seu primeiro duelo fora de Buenos Aires em toda a história das Eliminatórias, a Argentina não manteve o bom retrospecto e viu cair uma escrita de 16 anos exatos. O time vizinho não era derrotado diante de seu torcedor desde o dia 5 de setembro de 1993, quando caiu de forma humilhante para a Colômbia por 5 a 0, com gols do ex-corintiano Rincón e dois do ex-palmeirense Asprilla. Desde então, os argentinos jogaram 34 vezes em casa pelo torneio, com 25 vitórias e nove empates.

Já do lado brasileiro, a histórica vitória em Rosário, além de garantir a vaga no próximo Mundial e o rótulo de única equipe presente em todas as edições da Copa do Mundo, também representa a consagração de Dunga. Contestado no início, o treinador já acumula títulos da Copa América e Copa das Confederações e agora soma dez vitórias consecutivas. Nos clássicos contra Argentina em solo inimigo, não sabia o que era vencer o rival em jogos oficiais há 33 anos (três derrotas e um empate).

Com a bola rolando, os brasileiros deixaram a pressão apenas do lado de fora e mostraram muita frieza para segurar o ímpeto inicial dos argentinos. A provocação rival pôde ser notada com poucos segundos, aos gritos de "olé" quando a equipe da casa tocava a bola. Porém, a estratégia de segurar os primeiros minutos mostrou resultado aos 23min, momento em que Elano bateu falta para a área e o zagueiro Luisão subiu sozinho para escorar para as redes.

O gol serviu para esfriar os ânimos argentinos e deixou o Brasil ainda mais tranquilo em campo. Com a mesma postura, a estratégia de manter a frieza e fugir da famosa "catimba" rival, a Seleção voltou às redes em nova bola parada e outra falha. Apenas seis minutos depois, depois de falta batida pelo mesmo Elano e cruzamento de Kaká, Maicon pegou a sobra e exigiu boa defesa de Andújar. Na sobra, Luís Fabiano só escorou para as redes.

A surpreendente vantagem no placar logo no início fez até com que a torcida brasileira se soltasse em Rosário e devolvesse a provocação dos últimos dias com gritos de "Maradona é nosso rei". Enquanto isso, os fãs argentinos demonstravam irritação e começaram a criticar alguns nomes do elenco, principalmente a fragilidade defensiva da equipe. No ataque, quando Messi e Tevez conseguiram sair da forte marcação verde e amarela, pararam na presença do goleiro Júlio César, grande figura na partida.

Nos últimos 45 minutos, a tranquilidade brasileira foi abalada com um início de reação argentina, que voltou com Agüero no lugar de Maxi Rodríguez e cedeu aos pedidos da torcida por um triângulo ofensivo. Com a nova formação, aos 19min, depois de esboçar uma pressão nos primeiros lances após o intervalo, Dátolo encontrou liberdade em uma das raras vezes e acertou chute de fora da área, sem dar chances de defesa para o camisa um de Dunga, renovando as esperanças nas arquibancadas.

No entanto, os brasileiros nem tiveram tempo para se assustar e novamente silenciaram o "caldeirão" de Rosário. Apenas dois minutos depois do golpe, em jogada individual de Kaká, a Seleção selou a vitória ao chegar no terceiro gol. O camisa dez verde e amarelo carregou pelo meio e acionou Luís Fabiano em velocidade. O artilheiro das Eliminatórias mostrou frieza para tocar com categoria na saída de Andújar, anotar seu 11º gol nas últimas dez partidas e confirmar o fim do jejum em terras argentinas.

FICHA TÉCNICA

Argentina 1 x 3 Brasil

Gols
Argentina: Dátolo, aos 20min do 2º tempo
Brasil: Luisão, aos 23min, e Luís Fabiano, aos 30min do 1º tempo; Luís Fabiano, aos 22min do 2º tempo

Ponto Forte da Argentina
- Início dos dois tempos, momentos em que pressionaram os brasileiros no campo de defesa com toques rápidos e finalizações de fora da área, como ocorreu no lance do gol de Dátolo

Pontos Fortes do Brasil
- Tranquilidade demonstrada desde o início da partida, quando não se deixou levar pela pressão dos mandantes e pelas provocações do meio de semana;
- Velocidade nos contra-ataques, com o trio Kaká, Robinho e Luís Fabiano, e eficiência ofensiva demonstrada na partida;
- Bolas paradas e altas na área, principalmente com Elano, lances em que saíram os dois primeiros gols da partida

Pontos Fracos da Argentina
- Falta de tranquilidade demonstrada pelos comandados de Maradona, que desesperados pela vitória, não conseguiram manter o bom rendimento após o gol de Luisão;
- Má pontaria dos homens de frente, que desperdiçaram boas chances claras diante do goleiro Júlio César

Ponto Fraco do Brasil
- Queda de rendimento no segundo tempo, quando foi sufocado pela Argentina nos primeiros minutos, sofreu o gol de Dátolo e só selou a vitória após contra-ataque puxado por Kaká

Personagem do jogo
Luís Fabiano, autor de dois gols

Destaque negativo do jogo
Messi, da Argentina, que foi neutralizado pela zaga brasileira

Esquema Tático da Argentina
4-4-2
Andújar; Zanetti, Sebá Dominguez, Otamendi e Heinze; Mascherano, Verón, Dátolo e Máxi Rodríguez (Agüero); Messi e Tevez (Milito); técnico: Diego Armando Maradona

Esquema Tático do Brasil
4-4-2
Júlio César; Maicon, Luisão, Lúcio e André Santos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano (Daniel Alves) e Kaká; Robinho (Ramires) e Luís Fabiano (Adriano); técnico: Dunga

Cartões Amarelos
Argentina:
Brasil:

Árbitro
Óscar Ruiz (Colômbia)

Local
Estádio Gigante de Arroyito, em Rosário (Argentina)






Artilheiro, Luís Fabiano marca duas vezes e atinge marca de 11 gols nos últimos 10 jogos
Artilheiro, Luís Fabiano marca duas vezes e atinge marca de 11 gols nos últimos 10 jogos
Foto: AFP
Fonte: Terra
publicidade