1 evento ao vivo

Cobrado até pelo filho, Michel Bastos celebra bom momento no Palmeiras

14 fev 2018
08h05
  • separator
  • comentários

Que o jogador de futebol profissional recebe pressão de torcida e imprensa não é novidade para ninguém. Agora, ser cobrado dentro da própria casa, e por alguém de apenas 10 anos é no mínimo inusitado.

"Depois do meu primeiro jogo no ano (contra o Bragantino) meu filho olhou surpreso: 'você jogou, pai?'. No outro (contra o Santos), fiquei fora: 'Poxa, pai! De novo?' (risos). De dois anos para cá, ele ama futebol, vive futebol. A coisa que mais prezo hoje é chegar e comentar o jogo com meu moleque, ele poder ir ao estádio. Ele tem o pai como ídolo e isso é muito importante para mim. Quero estar sempre jogando, ainda mais com essa pressão que tenho em casa (risos)", revelou Michel Bastos.

Da mesma maneira com que Lucas, filho de Michel Bastos de apenas 10 anos, se preocupa que o pai tenha oportunidades no Palmeiras, Roger Machado também quer manter os atletas motivados. O elenco é numeroso e de qualidade, mas o camisa 15 acredita que o treinador está fazendo um bom papel administrando o vestiário.

"Ele (Roger Machado) vem muito bem. São muitos jogadores, mas todos têm consciência da qualidade do grupo, de jogar e de ficar de fora. O Roger vem tentando organizar da melhor maneira possível. Todos atletas querem atuar, alguns ainda não tiveram oportunidade nem de estrear, mas seguem trabalhando para a hora em que ela chegar. Cada um tem consciência de que tem que continuar bem para mostrar condição", completou.

Se depender da última entrevista de Roger Machado, Michel Bastos pode se animar com a "condição" que vem apresentando. Contra o Bragantino, atuou para que Victor Luis fosse poupado. Já no duelo frente ao Mirassol, tomou a posição do companheiro e recebeu elogios do comandante após o jogo.

"Eu até vi a entrevista dele (Roger Machado). Sinceramente, às vezes me colocam como jogador que não é bom de grupo. Nunca tive problema nenhum. Ouvi falar de laranja podre. Vou ter que conviver com isso até o fim da carreira. Agora entraram em uma polêmica de que não gosto de jogar na lateral. Não é isso. Atacante gosta de jogar de atacante, lateral de lateral, meia de meia. Sempre tive isso de ser polivalente. Meu erro foi sempre expressar minha preferência, de jogar de meia, mas nunca abdiquei de jogar de volante, de lateral. Sempre me coloco à disposição", finalizou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade