0

Carille elogia setor defensivo e atuação do Corinthians diante dos flamenguistas

Equipe consegue segurar ataque rubro-negro até quase o fim de jogo, quando Gabigol aproveitou sobra dentro da área para empatar, em gol validado pelo VAR

21 jul 2019
19h51
atualizado às 20h39
  • separator
  • 0
  • comentários

O técnico Fábio Carille elogiou a atuação do setor defensivo do Corinthians no empate por 1 a 1 com o Flamengo, neste domingo, em Itaquera, diante de 34 mil torcedores. O rubro-negro carioca tem o melhor ataque do Brasileirão, com 22 gols. Mas a equipe corintiana possui a segunda defesa menos vazada da competição, com apenas seis gols sofridos, atrás apenas do líder Palmeiras, com cinco.

Daí os elogios do treinador. "Desde o começo do ano, o setor defensivo foi o que melhor respondeu. Agora chega o Gil, com confiança. Discordo quando falam que ele é pesado. Tem velocidade, joga pelo lado esquerdo e, conversando com a comissão técnica, decidimos trazê-lo de volta", comentou o treinador, em entrevista após o empate. Carille já havia falado, no entanto, que a defesa nunca foi sua preocupação.

Gil, que fez o seu primeiro jogo pelo Corinthians neste seu retorno ao clube na vitória sobre o CSA, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, foi um dos melhores em campo neste domingo. O zagueiro evitou comentários sobre o empate e ressaltou a boa atuação da equipe. "Foi um grande jogo. Sabíamos da qualidade do Flamengo. Da qualidade ofensiva. Queríamos vencer, mas valeu a entrega e a dedicação de todos por este ponto conquistado", afirmou o defensor. Com a chegada de Gil, Henrique foi para a reserva.

Carille também destacou o desempenho do time como um todo neste duelo diante dos flamenguistas. "A gente sai chateado pelo resultado por causa do jogo que fizemos. Foi um bom jogo. O resultado poderia ter sido melhor. Mas fiquei muito feliz pelo desempenho do time", destacou.

Para Júnior Urso, o Corinthians esteve perto da vitória em Itaquera. O volante lamentou o fato de o gol flamenguista ter saído através de uma jogada de bola parada (escanteio), lance treinado por Carille com os atletas durante os coletivos da semana. "Ficamos chateados pelo resultado, já que estávamos com a vitória perto. Tomamos um gol de bola parada, que treinamos muito. Infelizmente, o Gabriel tinha condição regular e não estava impedido. Fico triste porque trabalhamos muito, mas ficamos felizes pelo desempenho".

No lance do gol do Flamengo, o calcanhar de Júnior Urso foi decisivo por dar condições de jogo ao atacante flamenguista. "Não tinha certeza de que dava condição para o impedimento. Quando olhei para o lado, vi que tinha eu, ele (Gabriel) e o Love. Sabia que podia ter dado condição", lamentou Urso.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade