PUBLICIDADE

Vice-presidente do Cuiabá diz que time foi prejudicado contra Bahia e questiona "pressão" em cima da arbitragem

22 nov 2021 15h12
| atualizado às 15h12
ver comentários
Publicidade

O vice-presidente do Cuiabá, Cristiano Dresch, reclamou da arbitragem de Raphael Claus no empate em 0 a 0 contra o Bahia, neste último domingo. Dois gols do Dourado foram anulados na primeira etapa do jogo na Fonte Nova.

Segundo o dirigente, os árbitros estão encontrando problemas pois já entram pressionados nos jogos. No caso do Bahia, a equipe reclamou fortemente da arbitragem após pênalti assinalado para o Flamengo, em jogo do Maracanã.

"Os árbitros estão apitando os jogos pressionados, eles estão tendo que apitar os jogos pressionados. O que aconteceu no jogo entre Flamengo e Bahia foi um reflexo do que aconteceu no jogo entre Flamengo e Chapecoense. E o Bahia fez um 'escarcéu' enorme na mídia, presidente indo para televisão chorar… O presidente do Bahia está no direito dele, mas cria uma pressão desnecessária em cima da arbitragem. Quem pagou o pato dessa pressão foi o Cuiabá", disse o dirigente do Cuiabá.

Cristiano reforçou que não acredita em má intenção de Claus, mas alegou que a pressão externa acaba induzindo a arbitragem a tender para um lado.

"O que aconteceu ontem com o Cuiabá… Não gosto de falar de arbitragem, mas o que aconteceu ontem… Dos jogos que eu acompanho do Cuiabá, nunca vi dois erros na mesma partida tão grandes. Raphael Claus é um dos melhores árbitros do quadro nacional, já vi vários jogos bons dele, com atuações seguras. Ele costuma ter o comando da partida. No primeiro erro o VAR marcou a linha  no momento errado, isso é grave. O segundo erro foi uma falta inexistente, que o árbitro estava de frente", alegou.

Rafael Gava teve seu gol anulado por impedimento aos 21 minutos de jogo e Jenison sofreu com o mesmo aos 38, sendo alegado que o atacante cometeu falta no lance.

"Quem acabou pagando o pato por conta dessa pressão que o Bahia fez contra o Flamengo foi o Cuiabá. O árbitro não está mal intencionado, mas ele já entra com uma pressão tão grande sobre ele, que ele vai apitar a favor do mandante, do clube que teoricamente foi prejudicado antes."

"Um arbitro da capacidade do Raphael Claus deveria no mínimo ter revisado o lance e não foi feito. Essa pressão precisa acabar, ninguém quer ser ajudado, só não queremos ser prejudicados. Ontem fomos prejudicados, deixamos de fazer três pontos por causa de dois erros da arbitragem. Essas pressões estão nos prejudicando, é o 'jeitinho' brasileiro que tem que acabar, de querer sempre ter a vantagem", concluiu.

O Cuiabá está na 11ª colocação do Brasileirão, com 43 pontos conquistados. O próximo jogo da equipe será contra o Palmeiras, no dia 30 (terça-feira).

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade