0

Posse de bola é o ponto comum no duelo entre Sampaoli e Diniz na Vila Belmiro

16 nov 2019
09h20
  • separator
  • 0
  • comentários

Neste sábado, Santos e São Paulo fazem o clássico da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, às 17h. Jorge Sampaoli e Fernando Diniz são dois dos principais personagens da partida e, mesmo vivendo fases diferentes, possuem algo em comum: a busca incessante pela posse de bola.

O Santos, comandado por Sampaoli desde o início do Brasileirão, lidera o ranking de posse de bola por partida na competição, tendo em média 59% da posse nos jogos disputados até o momento. Por outro lado, nas 11 partidas do São Paulo sob o comando de Fernando Diniz, o São Paulo tem uma média de 58,9% de posse de bola, à frente do segundo colocado geral, o Flamengo, com 58%.

(Arte: Gazeta Esportiva)
(Arte: Gazeta Esportiva)
Foto: Gazeta Esportiva

Sampaoli chegou ao Santos no início do ano e logo conseguiu implementar um estilo de jogo ofensivo e vistoso, encantando boa parte do país. Apesar do Peixe não ter conquistado nenhum título na temporada, o trabalho do treinador argentino é avaliado com poucas ressalvas pela diretoria.

Até o momento, Sampaoli comandou o Santos em 57 partidas no ano, tendo vencido 32 jogos, empatado 12 vezes e perdido outras 13, tendo um aproveitamento equivalente a 63,1% dos pontos disputados.

Mesmo realizando rodízios nas escalações e nas formações táticas, Sampaoli não abre mão de um estilo ofensivo e agressivo. O técnico preza por jogadas construídas com passes curtos e, para que o time mantenha a posse de bola por mais tempo, a pressão pós-perda também é muito intensa.

Sampaoli tem vínculo com o Santos até o final do ano que vem, porém sua permanência no clube ainda é incerta. O treinador já veio a público diversas vezes manifestar seu incômodo com a falta de organização no planejamento do Peixe para 2020. O técnico gostaria de ter reforços de maior impacto para a próxima temporada, mas já foi avisado que o Alvinegro não terá um grande orçamento para gastar em contratações.

Por outro lado, Fernando Diniz foi contratado pelo São Paulo em um momento delicado do clube. Pressionado por melhores resultados e desempenho após a demissão de Cuca, o Tricolor apostou no treinador que fez sucesso no Audax. Elogiado pelo elenco, o técnico chegou com a missão de aproveitar os talentos individuais do clube para melhorar a qualidade do futebol apresentado pelo time do Morumbi.

Até o momento, Fernando Diniz comandou o São Paulo em 11 partidas, todas pelo Campeonato Brasileiro. O time venceu cinco jogos, empatou duas vezes e perdeu outras quatro, tendo um aproveitamento equivalente a 51,5% dos pontos disputados.

Apesar do São Paulo buscar dominar o adversário da maneira que Diniz gosta, a equipe ainda derrapa e não consegue ser regular no desempenho apresentado em campo. Nos últimos dois jogos, o Tricolor foi derrotado em pleno Morumbi para Fluminense e Athletico Paranaense, apresentando uma dificuldade para criar jogadas.

Além disso, Diniz ainda não encontrou o time titular ideal. Daniel Alves, que já disse que gostaria de atuar no meio-campo, tem sido lateral-direito e, neste sábado, deve voltar a atuar como meia. Tchê Tchê é o único meio-campista que atuou nas 11 partidas do time sob o comando de Diniz, mostrando ser peça-chave no modelo de jogo do treinador.

Depois das quatro vitórias consecutivas nas últimas rodadas, o Santos ocupa a terceira colocação do Campeonato Brasileiro, com 64 pontos. Enquanto isso, com os dois tropeços em casa, o São Paulo estacionou na quinta posição, com 52 pontos.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade