PUBLICIDADE

CBF cria comissão por "fair play financeiro" sem Bom Senso

18 mai 2015
18h45 atualizado às 19h34
0comentários
18h45 atualizado às 19h34
Publicidade

Enquanto se mobiliza no Congresso para mudar o texto da MP do Futebol que estabelece regras transparentes para o futebol brasileiro, a CBF age internamente em busca de apoio de clubes, atletas e treinadores a fim de dar uma demonstração de que estaria disposta a moralizar o esporte nacional. Nesta segunda-feira, por exemplo, ela determinou a criação de uma comissão que atuará especificamente para normatizar o sistema de licenciamento dos clubes brasileiros.

Trata-se de uma exigência da Fifa, em vigor desde 2007. No entanto, por oito anos a CBF não teve interesse em adotar nenhuma medida que atendesse à entidade máxima do futebol. Como agora o contexto é outro, com a edição da MP em março assinada pela presidente Dilma Rousseff, a CBF passou a correr a procura de uma alternativa.

Marco Polo del Nero é o atual presidente da CBF
Marco Polo del Nero é o atual presidente da CBF
Foto: Ricardo Stuckert / CBF

O licenciamento dos clubes tem como base o "fair play financeiro". Se posto em prática, um clube não obterá licença para participar de competições organizadas pela CBF se estiver, por exemplo, com salários atrasados ou em dívida com a União.

A comissão criada nesta segunda vai reunir dez integrantes: com dois clubes (Flamengo e Fluminense), dois dirigentes da CBF, dois representantes do sindicato nacional dos clubes, dois atletas, e dois membros de entidades representativas dos atletas (excluindo-se aqui nomes do Bom Senso FC, que nem foram convidados para a reunião).

Nenhum mebro do Bom Senso foi chamado para comissão
Nenhum mebro do Bom Senso foi chamado para comissão
Foto: Alan Morici / Terra

O presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, recebeu convite para o encontro, mas não compareceu. Ele tem tido desavenças públicas com os colegas de Flamengo e Fluminense. “É como se fosse um caderno de encargos. Estamos começando a redigir o documento, para lhe dar um formato jurídico”, disse ao Terra um dos presentes à reunião, que pediu que o nome não fosse publicado.

Repórter do Estadão comenta furo sobre escalações da CBF:
Fonte: Silvio Alves Barsetti
Publicidade
Publicidade