PUBLICIDADE

Brasil sente que perdeu controle ao sofrer 1º gol do Uruguai

26 mar 2016 00h22
| atualizado às 00h50
ver comentários
Publicidade

Luis Suárez definiu o empate por 2 a 2 aos dois minutos do segundo tempo, mas o Brasil se culpa mais pelo gol de Cavani, aos 31 minutos da etapa inicial. A Seleção chegou a abrir 2 a 0, e culpa as bobeiras que cometeu depois de adquirir a vantagem no placar para explicar o frustrante resultado em Pernambuco, nessa sexta-feira.

“Quando abrimos 2 a 0, tínhamos o jogo na mão. Mas vacilamos na marcação no primeiro gol do Uruguai, colocamos o time deles de volta no jogo e é uma equipe chata, sabe se fechar muito bem e encaixar a marcação forte. Eles começaram a crescer, empataram no início e se fecharam. Tomamos dois gols bobos, só que o grande erro foi tomar o primeiro”, analisou Renato Augusto.

O meia foi o responsável por fazer o segundo gol, driblando o goleiro Muslera sem encostar na bola. Depois disso, porém, apareceram os erros defensivos, principalmente com David Luiz, que permitiu que Cavani e Suárez balançassem as redes e tirassem os três pontos dos comandados de Dunga.

“Começamos muito bem, fizemos os gols cedo. Às vezes, falta um pouco de tranquilidade para ficar com a bola e controlar o jogo. O Uruguai joga atrás, por uma bola, um vacilo. Tomamos dois gols em vacilos nossos, que não poderíamos tomar. Poderíamos ter botado um pouco mais de velocidade. Mas faz parte do futebol. A equipe está toda de parabéns, correu, se doou”, tentou aliviar Alisson.

O goleiro, inclusive, evitou outro gol do atacante do Barcelona, e não se sentiu culpado pelo chute do uruguaio que passou pelas suas mãos antes de balançar as redes. “É um jogador perigoso, e ficou complicado. Era um chute de perto. Tento defender na trajetória da bola e, às vezes, não consigo. Mas faz parte do jogo. Tentamos o nosso melhor e, infelizmente, não conseguimos a vitória”, disse o camisa 1.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade