0

Após tragédia, separatistas ameaçam novos atentados em Angola

10 jan 2010
09h38
atualizado às 15h32
  • separator

"As armas vão continuar falando" no território angolês de Cabinda, declarou neste domingo Rodrigues Mingas, líder do grupo separatista que reivindicou o ataque de sexta-feira contra a delegação do Togo na Copa Africana de Nações.

» Veja imagens do atentado
» Veja o mapa da região
do atentado em Angola

» "Em memória das vítimas", Togo recua e vai à Copa Africana
» Governo do Togo declara 3 dias de luto por ataque em Angola
» Veja a tabela da Copa Africana
» Opine: quais serão os clubes mais prejudicados com a Copa Africana?

"Vale tudo, estamos em guerra", avisou o secretário-geral das Forças de Libertação do Estado de Cabinda-Posição Militar (FLEC-PM), contactado por telefone em Paris, onde está exilado.

Ele criticou o presidente da Confederação Africana de Futebol (CAF), Isaa Hayatou, pela decisão de manter sete jogos do torneio em Cabinda. "Os ataques vão continuar, porque o país está em guerra e porque Hayatou é teimoso", afirmou.


Atentado com a seleção togolesa terminou em três mortes em Angola
Atentado com a seleção togolesa terminou em três mortes em Angola
Foto: Reuters
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade