0

Após pressão, Del Nero recebe apoio da "Bancada da Bola"

10 jun 2015
09h52
  • separator
  • 0
  • comentários

Após sofrer pressão para renunciar à presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero ouviu demonstrações de apoio de deputados da "Bancada da Bola" em audiência na Comissão do Esporte da Câmara na terça-feira. Em mais de cinco horas de sessão, o cartola se esquivou das denúncias de corrupção que levaram à prisão seu antecessor, José Maria Marin, a quem se referiu como “grande companheiro”.

Uma das mais enfáticas defesas a Del Nero foi feita pelo deputado Marcelo Aro (PHS-MG), que ocupa a diretoria de Ética e Transparência da CBF desde maio. Segundo ele, a sugestão pela saída do dirigente não condiz com a conduta de parlamentares quando um colega é centro de um escândalo.

“Nessa casa, vira e mexe temos algum problema, e os colegas defendem que os fatos sejam apurados. E essa mesma medida que é adotada quando o interesse de algum parlamentar, acreditamos que o mesmo tem de ser feito pela CBF. Não querer antecipar o juízo e fazer alguma condenação, pedir algum tipo de renúncia”, disse.

No início da reunião, Del Nero foi pressionado pelos deputados Altineu Cortes (PR-RJ) e João Derly (PCdoB-RS), que defederam sua renúncia. Outro que defendeu Del Nero e rechaçou o argumento foi o deputado José Rocha (PR-BA). “Vossa excelência foi eleito por unanimidade. Está há 60 dias no cargo. Se nada consta contra sua administração, também não vejo nenhum motivo que isso deva acontecer nem que possa estar aqui exigindo de vossa excelência esse constrangimento”, disse.

Del Nero nega cobrança de taxas por parte da CBF em eventos

Del Nero recebeu o apoio até de Andrés Sanchez, desafeto confesso do dirigente. “Também não acho que o senhor deva renunciar. Se o senhor não ter nada a ver, vai mostrar que não tem nada a ver. Renunciar seria uma atitude covarde se você for inocente”, disse.

Primeiro signatário da CPI da Máfia do Futebol na Câmara e um dos entusiastas da hipótese da renúncia, o deputado João Derly não ficou convencido com o depoimento. Ele diz estar desconfiado com a possibilidade de Marco Polo Del Nero ser o “co-conspirador número 12”, citado na investigação do FBI. “Não fiquei convencido. Ainda estamos intrigados com o co-conspirador 12, com o perfil muito parecido com o do Marco Polo”, disse.  

Del Nero esclarece contratos com patrocinadores em Brasília

 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade