0

Aguirre espera definição por Diego Souza e busca solução para o ataque

23 abr 2018
10h00
atualizado às 10h10
  • separator
  • 0
  • comentários

O Vasco tentou tirar Diego Souza do São Paulo, mas as diretorias não chegaram a um acordo. O camisa 9 vai continuar à disposição do técnico Diego Aguirre, a não ser que apareça alguma outra equipe com uma nova proposta que contemple as pretensões do clube do Morumbi.

A situação está definida, ao menos por ora, mas parece que esqueceram de avisar o treinador uruguaio. Perguntado sobre a situação, Aguirre, que não levou Diego Souza para o duelo com o Ceará, não escondeu que espera aproveitar o jogador, mas se mostrou cauteloso sobre sua permanência.

"Conto com ele. Ficou treinando em São Paulo, tem algumas opções de oferta, mas isso vai ser decidir nesses dias, e é um jogador importante, um patrimônio do São Paulo, que seguramente, se ficar, vai jogar muito", afirmou o comandante ainda em Fortaleza.

Uma expectativa ainda maior do técnico são-paulino talvez seja sobre seu compatriota Gonzalo Carneiro. Contratado há menos de um mês, o centroavante uruguaio aprimora sua condição física no CT da Barra Funda depois de sofrer com um problema no púbis.

Carneiro, que chamou atenção pelo Defensor-URU, é a nova aposta de Aguirre para solucionar a falta de eficiência do ataque do São Paulo. Nesse domingo, o treinador até experimentou o setor sem centroavante no segundo tempo diante do Ceará, mas deixou claro que tem preferência por um jogador como referência.

"Imaginamos um jogo, com centroavante fixo, com Tréllez, depois buscamos outras alternativas, porque não estávamos pegando na bola. Eu, óbvio, gosto de jogar com centroavante. Estamos provando para encontrarmos os melhores rendimentos. Teremos de preparar muito para o próximo jogo, para tentar ganhar e estar nas primeiras posições", explicou Aguirre, que fez quatro mudanças no time titular em relação ao último jogo.

Desde que Diego Aguirre passou a comandar o Tricolor do Morumbi à beira do campo, a equipe fez nove jogos e marcou apenas sete gols, uma média e 0.7 por partida. Pesam contra as eliminações no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil para Corinthians e Atlético-PR, respectivamente.

"Temos de dar mais, temos de ser protagonistas, a torcida tem de ter um pouco de paciência, estamos trabalhando muito para dar alegria a eles, e sabemos que isso ainda não aconteceu", concluiu, aparentemente preocupado com a pressão por resultados positivos.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade