PUBLICIDADE
Logo do

Flamengo

Meu time

Descanso e intensidade: Flamengo coloca à prova rotina especial de treinos adotada no período sem jogos

Rubro-Negro aproveitou semana sem jogos para aumentar o nível de cobrança física nos treinos. Elenco também fez trabalho de reforço muscular e de prevenção de lesão

12 jun 2021 07h02
ver comentários
Publicidade

O intervalo de 10 dias livres do Flamengo acabou na última quinta-feira com a vitória sobre o Coritiba, mas ainda promete dar bons frutos para o clube. Com o objetivo de aprimorar a parte física do elenco, o Rubro-Negro adotou uma rotina especial de treinos durante o período e a colocará à prova na maratona de jogos nas próximas semanas.

Jogadores do Fla em uma das atividades no Ninho do Urubu (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)
Jogadores do Fla em uma das atividades no Ninho do Urubu (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)
Foto: Lance!

Na espécie de 'intertemporada forçada', o Flamengo buscou encontrar um equilíbrio entre descanso (para recuperar os atletas) e intensidade para deixá-los em condições de aguentar a programação estabelecida pela comissão técnica. Com base nesta ideia, ficou decidido que o grupo teria três dias de folga e faria 10 sessões de treinamento no período.

Além, é claro, dos trabalhos técnicos e táticos sob comando de Rogério Ceni, as atividades sob responsabilidade dos preparadores físicos foram frequentes no Ninho do Urubu. O grupo, composto por Danilo Augusto, Roberto Oliveira, Rafael Winick e Alexandre Sanz, exigiu o máximo dos atletas e conseguiu implementar as cargas condicionantes necessárias para aumentar o nível de cobrança nos treinos de força. E os números comprovam essa evolução.

Houve, por exemplo, o aumento de 26% nas distâncias de alta intensidade (acima de 20km/h) exigidas nos treinos. Já os saltos - que tem o objetivo de aprimorar a força especial ou força útil dentro do gesto específico cresceram em 21%. Com esse tipo de atividade, os preparadores físicos buscam aumentar a capacidade de saltos para cabeceio, além de fortalecer outros aspectos do jogo, como o movimento sprint, desacelerar e acelerar, e mudanças de direção.

Por fim, as estatísticas colhidas pela equipe de análise de desempenho também indicam um crescimento de 13% nos esforços explosivos (cada vez que um jogador atinge 2,5 metros por segundo) durante as atividades do Flamengo. Para acelerar a recuperação pós-treino, as câmaras hiperbáricas e botas de compressão foram usadas com frequência pelo elenco rubro-negro.

Outra preocupação do clube durante o período sem jogos foi a diminuição no número de lesões musculares, um problema recorrente no início da temporada. Para isso, o Flamengo apostou em trabalhos de reforço muscular e de prevenção de lesão na fisioterapia.

Vale lembrar que atualmente apenas Thiago Maia e César são desfalques por problemas físicos e ambos estão em processo de recuperação após cirurgias no joelho. O volante, inclusive, está mais próximo de voltar aos gramados e participou de parte das atividades de força com o restante do grupo.

Na vitória sobre o Coritiba, no Couto Pereira, o Flamengo não foi muito exigido e pareceu dosar a intensidade após abrir o placar. Agora, com uma sequência de cinco jogos nos próximos 15 dias, a equipe tem a missão de provar que o planejamento foi acertado e os jogadores estão na 'ponta dos cascos'. O primeiro desafio será neste domingo, às 16h, contra o América-MG, no Maracanã, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Lance!
Publicidade
Publicidade