1 evento ao vivo
Logo do Cruzeiro
Foto: terra

Cruzeiro

Galo vai ao STJD contra o Cruzeiro por ingressos; Raposa fala em "descontinho"

14 set 2018
15h41
atualizado às 15h41
  • separator
  • comentários

O clássico entre Cruzeiro e Atlético iniciou há alguns dias. Nessa quinta-feira, em reunião na Federação Mineira de Futebol (FMF), alguma coisas ficaram definidas, como os valores do ingressos, além da permissão de bandeiras e batuques dos atleticanos. Nesta sexta nova repercussão: a diretoria alvinegra buscou o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para reclamar dos valores diferenciados dos ingressos.

A equipe alvinegra entende que os valores entre R$ 150 e R$ 240 são abusivos para os 5.940 bilhetes disponibilizados aos torcedores visitantes - desta vez o Atlético. O questionamento do Galo é que por lugares parecidos, ou seja no mesmo setor, os cruzeirenses têm preços diferentes. Por exemplo, no local que os atleticanos precisam desembolsar R$ 240 os celestes bancam R$ 40.

O jurídico do Galo entra no STJD embasado no parágrafo 1º do artigo 24 do Estatuto do Torcedor. Nele está previsto que os valores "estampados nos ingressos destinados a um mesmo setor não poderão ser diferentes entre si, nem daqueles divulgados antes da partida pela entidade detentora do mando do jogo".

A defesa celeste, no entanto, justifica que o local destinado à torcida do Atlético é um "grande setor visitante" e com barreira física. Diante disso, o preço do espaço fica maior.

"Descontinho via judicial"

O vice-presidente jurídico do Cruzeiro, Fabiano de Oliveira Costa, disse que o Atlético não tem dinheiro para bancar os ingressos e precisa buscar pela justiça um desconto. Ele ainda acusa o advogado e vice-presidente do Atlético, Lásaro Cândido de desinformado.

"O Cruzeiro fixou um valor para o visitante e está praticando o mesmo valor para os cruzeirenses no setor correspondente. Eles (o Atlético) não têm dinheiro de pagar e estão tentando um descontinho via judicial. Ele (Lásaro) é desinformado e deturpa tudo. No Mineirão, os visitantes ficam num local específico, delimitado inclusive por barreira física. Sempre foi assim. O que o regulamento diz é que você deve vender para os visitantes ingressos com o mesmo valor de local equivalente para a torcida do mandante. E isso o Cruzeiro respeita e sempre respeitou", disse em entrevista ao Superesportes.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade