0
Logo do Seleção da Croácia
Foto: terra

Seleção da Croácia

Ivan Perisic, o terrível

Nascido na ex-Iugoslávia, o herói croata comandou a virada sobre a Inglaterra e colocou a Croácia pela primeira vez em uma final de Copa

11 jul 2018
18h52
  • separator
  • comentários

A quarta-feira cinzenta e fria em São Paulo parecia ser um prenúncio de que a Inglaterra enfim chegaria pela segunda vez a uma decisão de Copa do Mundo, o que não ocorria desde 1966. Até as coincidências com a data da última e única conquista, quando os ingleses davam as cartas mesmo era no rock, colaboravam para o final mais provável.

Perisic comemora gol do empate da Croácia
Perisic comemora gol do empate da Croácia
Foto: Darren Staples / Reuters

Com Mick Jagger na torcida e o zagueiro Stones em campo, os ingleses saíram na frente com um gol marcado por Trippier, aos 5 minutos. Poderia ser o Dia de Trippier, em um trocadilho com uma das músicas dos Beatles “Day Tripper”. Afinal, ele fez uma cobrança de falta mágica, misteriosa e indefensável.

O gol no início assustou os croatas, que estiveram perto de levar o segundo gol durante toda a primeira etapa, mas Harry Kane e Lingard não estavam tão inspirados. Felizmente para os ingleses, lá atrás a zaga afastava qualquer perigo e o goleiro Pickford seguia firme e forte.

Só que na segunda etapa tudo mudou. Em campo, uma nova Croácia surgiu e com ela Ivan Perisic, filho da ex-Iugoslávia, país que um ano depois de seu nascimento começou a se dissolver. Foi de Ivan, o terrível, o gol de empate com a sola do pé esquerdo, com força e com coragem, se antecipando aos zagueiros para deixar tudo igual.

Os ingleses entraram em uma bad trip e quase tomaram a virada, três minutos depois, quando Perisic acertou a trave. A pressão continuou e Pickford evitou o segundo gol croata no chute de Mandzukic. Pela terceira vez seguida, a Croácia teria de disputar uma prorrogação.

Com melhor preparo físico, a Inglaterra quase virou na base do trenzinho roqueiro, onde seis ingleses fazem fila indiana antes de se deslocarem pela área do rival. Trippier bateu escanteio e Stones acertou uma cabeçada certeira, só que Vrsaljko também de cabeça evitou o gol inglês.

Se a primeira parte do tempo extra foi da Inglaterra, a Croácia mostrou suas garras no segundo e decisivo período. Perisic ganhou uma disputa pelo alto e deixou Mandzukic na boa para virar a partida. Havia tempo para que os ingleses tentassem ao menos levar o jogo para os pênaltis. O técnico trocou até zagueiro por atacante, só que não deu. O sonho acabou para os ingleses, que no sábado vão enfrentar os belgas pelo terceiro lugar.

Para a Croácia de Perisic, que já disputou até vôlei de praia no Circuito Mundial, a viagem ainda não chegou ao fim. No domingão, os croatas terão a chance da revanche, vinte anos depois de perderem a semifinal para os franceses, em 98, que depois ficariam com o título. Será que teremos um novo campeão? Ou a França será bicampeã? Façam suas apostas!

Fonte: Blog A Copa no sofá   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade