PUBLICIDADE
Logo do

Corinthians

Meu time

Corinthians tratou clássico como final e fechou com Mancini

Clube alvinegro não venceu, mas a atuação foi motivo de comemoração

4 mai 2021
07h11 atualizado às 07h45
0comentários
07h11 atualizado às 07h45
Publicidade

O Corinthians não venceu o São Paulo no domingo, mas o resultado e, principalmente, a atuação no Majestoso foram motivos para comemoração dentro do ambiente do CT Joaquim Grava.

Vagner Mancini tem um bom relacionamento com o elenco do Corinthians
Vagner Mancini tem um bom relacionamento com o elenco do Corinthians
Foto: Maycon Soldan/Código19 / Estadão Conteúdo

A Gazeta Esportiva ouviu pessoas que participam da rotina do departamento de futebol corintiano, e os relatos se misturam entre a alegria e o alívio.

A sensação de que Vagner Mancini poderia não resistir a uma derrota diante de uma nova apresentação decepcionante ou, no mínimo, ficar em situação delicada era sentida por membros da comissão técnica e integrantes do elenco.

Mas, internamente, o técnico é querido por todos. O bom relacionamento e a confiança no trabalho de Mancini, apesar das críticas externas, foram combustíveis para o Corinthians tratar o clássico como uma final de campeonato.

Quem viveu o ambiente durante a preparação garante que os líderes do elenco foram fundamentais nesse cenário, pela compreensão das mudanças e para ajudar a mostrar a todos do grupo a importância que o clássico teria para a sequência da temporada.

Os jogadores, de fato, abraçaram a causa de Mancini, assim como também levaram em consideração o peso que teria para eles a manutenção do tabu contra o São Paulo, em Itaquera.

Após o empate por 2 a 2, que esteve muito perto de ser uma vitória por 2 a 1, de virada, a sensação de alívio também atingiu dirigentes.

Isso porque não há intenção da cúpula alvinegra em trocar o técnico, mas é consenso de que o acúmulo de críticas da imprensa, mais a pressão nas redes sociais, assim como os protestos das organizadas na porta do CT, poderiam, em pouco tempo, tornar tudo mais difícil e refletir em uma interrupção do trabalho em um futuro próximo.

A avaliação é de que o clássico seria um divisor de águas, e que terminou unindo ainda mais o elenco da comissão técnica, passando confiança à diretoria.

Ninguém, porém, tem dúvida de que o momento de tranquilidade para trabalhar tem validade apenas até quinta-feira, quando será crucial superar o Huancayo, no Peru, para ratificar uma posição de mudança perante ao público.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade