PUBLICIDADE
Logo do

Corinthians

Meu time

Corinthians perde para o Peñarol em casa e segue sem vencer na Sul-Americana

Equipe sofre um gol em cada tempo e se complica na fase de grupos da competição continental

29 abr 2021
0comentários
Publicidade

O Corinthians tinha uma missão difícil na noite desta quinta, pela Copa Sul-Americana. Após empatar sem gols com o fraquíssimo River Plate do Paraguai, semana passada, em Assunção, o time precisava vencer o tradicionalíssimo Peñarol na Neo Química Arena para se recuperar no Grupo E da competição - apenas um clube por grupo avança para as oitavas de final. Mas com um ataque ineficaz e com uma defesa cheia de falhas, o time foi derrotado em casa por 2 a 0 e se complicou na sequência da competição.

O time de Vagner Mancini errou muito na defesa, principalmente pelo lado esquerdo. Fábio Santos esteve abaixo da média na marcação e o time uruguaio encontrou espaço pelo setor. No ataque, a imobilidade de Jô pesava e Léo Natel não acertou absolutamente nada - eles foram substituídos logo após o segundo gol uruguaio.

O Peñarol mostrou logo cedo que não estava para brincadeira. Antes do primeiro minuto o time uruguaio quase abre o placar. Cantillo recuou muito mal a bola para Cássio, Martinez antecipou-se e driblou o goleiro corintiano, mas perdeu o ângulo na hora de cruzar para a área e a defesa afastou.

A primeira chegada do Corinthians surgiu aos seis minutos. Fagner encontrou Luan na área e fez o passe. O meia-atacante recebeu e bateu para o gol, mas a bola saiu por cima da meta.

Luan tentou novo arremate aos nove, para defesa segura de Dawson. Na sequência, aos 12, o Peñarol abriu o placar. Terans ganhou a bola de Bruno Méndez no meio-campo, avançou em velocidade e tocou na esquerda para González, que entrou sozinho pela esquerda e bateu cruzado, na saída de Cássio, para abrir o placar.

Cássio precisou fazer duas grande defesas em sequência para evitar mais um gol do Peñarol. Aos 25, Terans bateu falta de longe e o goleiro alvinegro espalmou. Depois, aos 29, González abriu para Acosta, mais uma vez pelo lado esquerdo do ataque. Ele cruzou na medida para Terans cabecear com força no canto esquerdo de Cássio, que se esticou e conseguiu mandar para escanteio.

Aos 32, após cobrança de escanteio, Gil desviou na primeira trave e a bola sobrou para Luan, que bateu de primeira, mas Dawson fez grande defesa. Depois, aos 44, Léo Natel apareceu pela esquerda do ataque e cruzou rasteiro para Jô, na pequena área. O atacante levou o pé esquerdo na bola, mas perdeu um gol incrível.

O segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro - o Corinthians com posse de bola ineficaz e o Peñarol retraído. O Alvinegro até teve uma chance aos seis minutos, em um bate-rebate na área uruguaia, mas foi o Peñarol quem chegou ao gol.

Aos dez minutos, após uma linda troca de passes dos atacantes do Peñarol, com a defesa corintiana só observando, Gargano lançou Piquerez nas contas da zaga pelo lado esquerdo. Ele cruzou na medida para Terans completar para o gol vazio.

Mancini fez as cinco alterações a que tinha direito, mas o panorama não mudou. O Corinthians tentava chegar ao gol mais na base dos cruzamentos e da força, quando deveria optar pelo passe em velocidade.

Após 30, o Corinthians tentava chegar mais na base da disposição. Sem nenhuma mudança tática, os garotos Gabriel Pereira, Vitinho e Cauê foram facilmente anulados. Aos 43, Fagner ainda bateu uma falta na trave e foi só. O Corinthians ficou devendo, e muito, para o seu exigente torcedor. Para piorar, Mancini terá pouco tempo para arrumar o time para o clássico de domingo com o São Paulo, o melhor time do Paulistão.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Bruno Méndez, Gil e Fábio Santos; Camacho (Ramiro), Cantillo e Luan (Vitinho); Léo Natel (Gustavo Mosquito), Jô (Cauê) e Otero (Gabriel Pereira). Técnico: Vagner Mancini.

PEÑAROL: Dawson; Acosta (Canobbio), Formiliano, Kagelmacher e Piquerez; González, Trindade e Gargano (Musto); Terans (Ceppeline), Torres (Schiappacasse) e Álvarez. Técnico: Mauricio Larriera.

GOLS: González, aos 12 minutos do primeiro tempo; Terans, aos 10 minutos do segundo tempo.

JUIZ: Facundo Tello (ARG).

AMARELOS: Fábio Santos, Gil, Acosta, Cantillo, Otero, Bruno Méndez, Kagelmacher.

LOCAL: Neo Química Arena.

Estadão
Publicidade
Publicidade