PUBLICIDADE
Logo do

Corinthians

Meu time

Com ataque de poucos gols, Sylvinho promete ajustar a criação do Corinthians

Derrota diante do rival São Paulo gera reações negativas na torcida corintiana, que contesta atitude ofensiva da equipe

19 out 2021 10h15
| atualizado às 10h15
ver comentários
Publicidade

O Corinthians não marcou gols em sete jogos no Brasileirão. Em outros 14, balançou as redes apenas uma vez. Com média de somente 1,03 gol por partida, o técnico Sylvinho sabe que precisa melhorar o setor ofensivo se quiser brigar por vaga na Copa Libertadores. Para isso, ele pretende usar a semana para ajustar a criação, bastante previsível nas últimas rodadas.

Domingo, o Corinthians faz confronto direto pelo G-6 com o Internacional, em Porto Alegre. O rival costuma ser bastante agressivo em seus domínios e a meta de Sylvinho, além de ser forte defensivamente, é fazer com que a transição seja rápida para chegar forte no gol gaúcho.

"Com relação à construção, tivemos uma dificuldade maior (contra o São Paulo). Mas não, longe de o time ser previsível, pelo contrário. Estamos buscando esse time, está aberto o cenário. Trocas de atletas têm ocorrido, com características diferentes", afirma o técnico, sem esconder que ainda não definiu seus 11 titulares.

"Estamos buscando melhorar nossa performance em nível de construção. O adversário tem leitura e vai buscar que você não desenvolva. Não esperamos o Corinthians entrar em campo e ter um performance de fazer quatro ou cinco gols. Mas estamos buscando uma melhor performance."

A confusão de Willian atrapalhou bastante os planos do treinador. Sylvinho apostava demais na habilidade e na velocidade do astro para ter um diferencial em campo. Agora, vi e mexendo e não "acha" seu time ideal. Já usou Jô, adiantou Roger Guedes para centroavante, sacou Gustavo Mosquito, rodou os meninos Gabriel Pereira, Adson e Vitinho e nada de ter a escalação ideal.

De certo, apenas o trio com Cantillo, Renato Augusto e Giuliano. "Esse tripé de meio de campo com Giuliano e Renato Augusto têm dado bastante para a gente em nível técnico, com a presença do Cantillo, também."

Falta definir os parceiros para Roger Guedes, portanto. Adson e Gabriel Pereira, juntos, decepcionaram no clássico. É possível que opte por mais experiência no Sul. Mesmo que com Gabriel para dar mais segurança e soltar Cantillo.

"Parte dela (performance buscada) é nessa primeira construção. Melhorá-la é nossa função, nosso papel, não estamos contentes, queremos buscar melhor performance, melhor momento dos atletas e vamos buscar soluções já para os próximos jogos."

Estadão
Publicidade
Publicidade