2 eventos ao vivo

Arroz com feijão e bola aérea: os segredos para Marllon se firmar no Corinthians

25 out 2020
08h14
atualizado às 08h14
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A decisão de Vagner Mancini em bancar a titularidade de Marllon ao lado de Gil causou surpresa. O técnico, inclusive, foi questionado pela imprensa logo após a vitória do Corinthians sobre o Vasco.

"Foi uma aposta daquilo que eu vi nos jogos. Acabamos vendo hoje uma grande partida do Marllon junto com o Gil, ele se comportou bem até com a entrada do Fábio Santos, sei da importância do Bruno Méndez para o elenco, mas o treinador sempre vai ter essa opção. Mas a minha escolha foi por aquilo que eu vi no dia a dia e acho que acertei porque hoje a dupla de zaga foi muito bem não só no jogo aéreo como no chão também".

O uruguaio nunca teve uma sequência como zagueiro da equipe e, em tese, o momento para isso acontecer seria agora, por causa da lesão de Danilo Avelar, que precisará ficar fora do futebol por pelo menos oito meses.

A expulsão por agressão contra o Atlético-PR, entretanto, custou caro. Marllon assumiu o posto e foi mantido por Mancini. O zagueiro estava emprestado, na reserva do Cruzeiro, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro, e, a princípio, só foi chamado de volta para o alvinegro não ficar sem uma opção no banco de reservas.

A escolha de Vagner Mancini pode se justificar pela bola aérea. Marllon tem 1,85 metros, apenas um centímetro a mais que seu concorrente, mas tem mostrado precisão nas jogadas pelo alto.

Contra o Flamengo, apesar da goleada sofrida pelo Timão, Marllon não cometeu nenhuma falha grosseira e venceu os dois duelos que disputou por cima. Diante do Vasco, Marllon foi exigido quatro vezes em cruzamentos e afastou a bola em três deles.

Bruno Méndez, por exemplo, encontrou dificuldades na derrota para o Ceará. Foram quatro disputas pelo alto e só em uma o gringo se deu bem.

Além disso, Bruno Méndez é visto como um zagueiro que ataca a bola e muitas vezes se desprende da linha. Marllon é menos técnico, mais lento, mas elogiado por fazer bem o "arroz com feijão": jogador mais posicional, de imposição física.

Vagner Mancini tem as duas características à disposição para a partida contra o América-MG, agendada para quarta-feira, na Neo Química Arena, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. A tendência é de que Gil tenha seu parceiro mantido.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade