0

Ambição x pessimismo: Corinthians e Santos medem forças com crise na Vila

7 ago 2013
07h59
atualizado às 08h29
  • separator
  • 0
  • comentários

O principal inimigo apareceu na casa dos santistas justamente no momento de maior tensão na Vila Belmiro. Nesta quarta-feira (21h50 de Brasília), pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos, que admite viver uma crise, recebe um confiante Corinthians, que vem de duas vitórias na competição.O primeiro jogo do clube da Baixada Santista desde a impactante goleada por 8 a 0 sofrida para o Barcelona, na última sexta, em um dos maiores vexames da história, pressiona jogadores e comissão técnica a uma reação imediata. Entre protestos, articulações políticas e pressão, os rivais se reencontram.

<p>Torcida santista protestou em último treino para o clássico</p>
Torcida santista protestou em último treino para o clássico
Foto: Lucas Baptista / Futura Press

No Parque São Jorge, os ânimos que parecem se exaltar novamente são os que apontam para mais conquistas. Os próximos jogos, já a partir do clássico, vão tratar de confirmar uma aparente guinada corintiana. Pela primeira vez, o Corinthians conseguiu duas vitórias consecutivas dentro do Campeonato Brasileiro e, com duas rodadas por semana, espera impor o elenco qualificado mesmo com desfalque de um titular importante.

Na Vila Belmiro, Tite não terá Emerson, mas ainda assim leva a campo um time que pode ser considerado forte e venceu o Criciúma no domingo passado. O local do clássico leva boas lembranças recentes: foi na Vila que, em maio, o Corinthians levantou o título paulista. Também foi lá que bateu o Santos para jogar, e ganhar, a primeira final de Copa Libertadores em sua história

<p>Pressionado pela diretoria do Santos, Claudinei precisa vencer clássico para recuperar moral</p>
Pressionado pela diretoria do Santos, Claudinei precisa vencer clássico para recuperar moral
Foto: Ivan Storti / Agência Lance
Interino adota mistério e joga por permanência no Santos

Após bom início e uma arrancada na competição nacional, o técnico interino Claudinei Oliveira retoma atenções em busca de reafirmação pessoal. Pressionado com a sombra de Abel Braga, recém-demitido do Fluminense, uma derrota para o rival pode significar o fim do trabalho de renovação ao qual foi incumbido desde a saída de Muricy Ramalho há pouco mais de dois meses.

Claudinei, pela primeira vez, optou por não revelar o time, mas já acenou que fará alterações na equipe que perdeu por 8 a 0 para o Barcelona. O comandante santista fechou por cerca de uma hora o último treino para o clássico. "Treinamos com duas formações diferentes que vou guardar até 45 minutos antes do jogo para revelá-las. Não é mistério, tenho dúvidas", argumentou.

"Acho que vínhamos com um bom rendimento no Brasileiro. Fiz sete jogos na competição, 11 pontos de 21 possíveis, não é uma campanha ruim. Tivemos esse acidente na sexta-feira, mas não vou entrar em maiores detalhes. Respeito a opinião de todos, mas vou escalar a equipe conforme a minha convicção, independentemente dos veteranos, ou não", completou.

A principal pressão é para que, justamente, os veteranos deixem a equipe. O lateral esquerdo Léo e o zagueiro Durval são os principais alvos. Completam os pedidos a saída do lateral Galhardo para que Cicinho e Mena, reforços que custaram juntos cerca de R$ 17 milhões, possam ocupar as vagas nas laterais. O atacante Thiago Ribeiro, ainda longe da melhor condição física, não está confirmado.

Com isso, o provável Santos tem: Aranha; Galhardo (Cicinho), Edu Dracena, Durval (Gustavo Henrique) e Léo (Mena); Arouca, Cícero, Leandrinho (Alan Santos) e Montillo; Neilton e Thiago Ribeiro (Willian José).

<p>Atrás de sexto título, Tite já é o único treinador corintiano com cinco conquistas</p>
Atrás de sexto título, Tite já é o único treinador corintiano com cinco conquistas
Foto: Giuliano Gomes / Gazeta Press
Chegar ao G-4 é a grande motivação do Corinthians

De 11º para 9º depois de vencer o Grêmio na última quarta. De 9º para 7º com a vitória sobre o Criciúma no domingo. Assim o Corinthians subiu quatro degraus na tabela do Brasileiro e vai para a Vila Belmiro atrás de mais. Mira o Bahia, o Vitória e também o Internacional, três adversários mais próximos. Tentará chegar ao G-4 pela primeira vez desde o título nacional de 2011.

As duas vitórias por 2 a 0 transformaram as análises sobre a equipe, antes carregada de pessimismo por uma suposta estafa dos jogadores com cinco títulos nos últimos dois anos. O que parecia refletir sobre o ataque, ainda assim um dos quatro piores. Tite terá novamente dois meias de origem, além de Romarinho, em seu sistema 4-2-3-1. Renato Augusto tem nova chance de provar a recuperação, especialmente física, para enfim ser titular.

O ponto forte corintiano, sobretudo com a saída de Paulinho, é novamente o sistema defensivo. Nas últimas três partidas, Cássio sequer foi vazado, e o Corinthians disparou como a melhor retaguarda do Brasileiro. Levou cinco gols. É quase metade do Cruzeiro, segunda melhor defesa, que tomou nove. Ou dos oito gols que o Santos tomou do Barcelona...

O Corinthians irá atuar com: Cássio; Edenílson, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Guilherme e Ralf; Romarinho, Danilo e Renato Augusto; Guerrero. 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade