PUBLICIDADE
Logo do

Chapecoense

Meu time

Fortaleza bate Chapecoense fora com fim de jogo polêmico e decidido pelo VAR

Equipe catarinense marca gol da virada, mas árbitro de vídeo recomenda marcação de pênalti para o time tricolor, que converte e soma mais três pontos na tabela

16 out 2021 23h29
| atualizado às 23h29
ver comentários
Publicidade

A Chapecoense esteve bem perto de conseguir a sua primeira vitória dentro da Arena Condá pelo Campeonato Brasileiro, mas acabou sendo frustrado pela ação do VAR nos últimos minutos. Num mesmo lance, o time catarinense teve um gol anulado e teve contra si a marcação de um pênalti. Com um gol de Yago Pikachu aos 47 minutos do segundo tempo, a equipe catarinense perdeu para o Fortaleza por 2 a 1, pela 27ª rodada.

Mais uma vez o VAR gerou polêmica com relação à forma como é utilizado. O árbitro potiguar Zandick Gondim Alves Júnior (RN) estava bem posicionado, quando a bola tocou no braço de Moisés, da Chapecoense, e ele mandou seguir a jogada. No contra-ataque, Kaio Alves fez bela jogada na área, driblando dois marcados e chutando no ângulo. Muita comemoração para o gol que poderia determinar a primeira vitória em casa, após 13 jogos - cinco empates e oito derrotas.

A festa, porém, virou decepção porque o árbitro, chamado pelo VAR, anulou o lance e ainda marcou a penalidade máxima para o Fortaleza, que marcou e acabou vencendo a partida. Com 45 pontos, se mantém na terceira posição, enquanto a Chapecoense, com 13 pontos, é a lanterna.

O Fortaleza começou melhor, com a posse de bola e empurrando a Chapecoense para seu campo defensivo. Tanto que abriu o placar logo aos cinco minutos Bruno Melo recebeu passe diagonal já dentro da grande área e tentou cruzar, mas a bola desviou em Matheus Ribeiro e enganou o goleiro Keiller.

O jogo ficou ainda mais fácil para os cearenses, que tocavam a bola como que a esperar o momento certo para ampliar. Só não esperava a bobeada do zagueiro Marcelo Benevenuto, que tentou sári driblando como último homem, perdendo a bola para Rodriguinho. O garoto carregou a bola, entrou na área e bateu no canto esquerdo de Felipe Alves, deixando tudo igual aos 41 minutos.

O curioso é que no banco de reservas, Geuvânio já se aquecia e quem poderia deixar o campo seria o próprio Rodriguinho. No início do segundo tempo, Geuvânio entrou no lugar dele. E quase que Geuvânio fez o gol da virada aos cinco minutos, após desviar de cabeça um cruzamento da direita que saiu tirando tinta da trave direita.

O jogo foi mais equilibrado e só chamou a atenção aos 31 minutos, quando Bruno Melo chegou a marcar o segundo gol. Ele desviou de cabeça uma falta levantada na área por Yago Pikachu. Mas o lance acabou anulado pelo VAR, quatro minutos depois, por um impedimento de Tinga.

Aos 42 minutos, a Chapecoense chegou a comemorar o gol da virada após drible de Kaio Nunes e chute no ângulo. Mas o VAR chamou atenção do árbitro para um lance anterior na área do time da casa, onde a bola tocou no braço de Moisés. O árbitro anulou o gol e marcou o pênalti.

Aos 47 minutos, Yago Pikachu deslocou o goleiro e fez 2 a 1. Na comemoração ergueu o braço direito e mandou beijo para a torcida que o provocava. Isso gerou empurra-empurra entre os jogadores e o cartão amarelo para o jogador do Fortaleza.

FICHA TÉCNICA:

CHAPECOENSE 1 x 2 FORTALEZA

CHAPECOENSE - Keiller; Matheus Ribeiro, Ignácio (Perotti), Joilson, Jordan e Mancha; Moisés, Denner (Kaio Nunes) e Lima (Ronei); Mike (Henrique Almeida) e Rodriguinho (Geuvânio). Técnico: Pintado.

FORTALEZA - Felipe Alves; Tinga, Marcelo Benevenuto e Matheus Jussa; Yago Pikachu, Ronald (Éderson), Felipe, Matheus Vargas (Lucas Lima) e Bruno Melo (Lucas Crispim); Henríquez (Wellington Paulista) e David (Romarinho). Técnico: Juan Pablo Vojvoda.

GOLS - Bruno Melo, aos 5, e Rodriguinho, aos 41 minutos do primeiro tempo. Yago Pikachu (pênalti), aos 47 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Ignácio, Jordan e Geuvânio (Chapecoense); Yago Pikachu (Fortaleza).

ÁRBITRO - Zandick Gondim Alves Júnior (RN)

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Arena Condá, em Chapecó (SC).

Estadão
Publicidade
Publicidade