2 eventos ao vivo

CBF vai liberar imagens do VAR durante transmissões de jogos

19 ago 2019
16h44
atualizado às 16h59
  • separator
  • 0
  • comentários

Por mais de 40 minutos, o chefe da Comissão Nacional de Arbitragem da CBFLeonardo Gaciba, apresentou na tarde desta segunda, no Rio, uma série de dados que confirmam, na avaliação da entidade, a importância da utilização do árbitro de vídeo (VAR) no futebol do País e do mundo todo. Com avaliações feitas até a 14º rodada do Brasileiro, em comparação com o mesmo período da competição do ano passado, ele contou, por exemplo, que no campeonato em disputa houve dez erros capitais nas 139 partidas realizadas até agora. Em 2018, foram 88 situações "capitais" com o mesmo número de jogos.

VAR (árbitro de vídeo) durante a partida entre Bahia e Fluminense.
VAR (árbitro de vídeo) durante a partida entre Bahia e Fluminense.
Foto: Romildo de Jesus / Futura Press

"Isso demonstra claramente que o VAR veio para ficar. O futebol de ponta não pode mais ficar sem esse recurso", disse Gaciba. Ele ressaltou, em seguida, que é preciso buscar o aperfeiçoamento do uso do árbitro de vídeo, notadamente em relação ao tempo que tem sido gasto pelos árbitros de campo para tomar decisões depois de alertados pelos colegas que ficam em cabines monitorando os lances em vídeos.

"Estamos numa nova era, iniciando um trabalho revolucionário no futebol. Claro que temos de ter ajustes. Estamos conversando com nossas equipes no sentido de dar mais agilidade às decisões. Isso vai vir naturalmente, como consequência dessa tentativa de lisura integral, que é o objetivo do VAR", prosseguiu Gaciba.

Até o momento, no Brasileiro de 2019, houve 764 checagens e 87 revisões feitas pelo VAR, média de 6,12 por jogo. Segundo os gráficos exibidos no auditório da sede da CBF, o VAR ajudou a corrigir 27 decisões relacionadas à marcação ou à não marcação de pênaltis e outras 23 que diziam respeito a impedimentos. Foram revistas também sete situações de aplicação de cartão vermelho.

Com o VAR, 69 decisões do árbitro de campo foram alteradas. Depois de revelar que a estrutura do árbitro de vídeo custa à CBF em torno de R$ 51 mil por partida, Gaciba aproveitou o evento para anunciar uma outra novidade.

"A partir do segundo turno do Brasileiro, os telespectadores vão ter acesso em tempo real às imagens utilizadas pela equipe do VAR; é mais um passo para a transparência na arbitragem."

Veja também:

 

Fonte: Silvio Alves Barsetti
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade