0
Logo do Seleção Brasileira
Foto: terra

Seleção Brasileira

Nova convocação da Seleção: problemas à vista com clubes

17 out 2019
11h33
atualizado às 11h34
  • separator
  • 0
  • comentários

Na próxima semana, provavelmente na sexta (25), o técnico Tite vai fazer mais uma convocação da Seleção Brasileira – dessa vez, para amistosos com a Argentina, dia 15 de novembro, na Arábia Saudita, e contra a Coreia do Sul, dia 19, nos Emirados Árabes. Desde já, existe uma expectativa grande sobre os critérios para a escolha dos 23 jogadores. Levará quem atua no Brasil? No máximo quantos de cada clube?

Tite, técnico da Seleção Brasileira
Tite, técnico da Seleção Brasileira
Foto: Sergio Moraes / Reuters

Essas perguntas certamente já estão grifadas na mesa de cabeceira de Tite. Tudo por causa das últimas polêmicas envolvendo a CBF e alguns clubes, mais notadamente o Flamengo, que ficou desfalcado de Rodrigo Caio e Gabigol por duas rodadas do Brasileiro – eles fizeram parte do grupo que disputou amistosos com Senegal e Nigéria, dias atrás, em Cingapura, na Ásia.

O Grêmio também não aprovou a convocação, para os jogos do Brasil com os africanos, de Everton Cebolinha e Matheus Henrique.

Nesta semana, um embate entre Flamengo e CBF pontuou o noticiário. Isso por causa da decisão da diretoria do Rubro-Negro de não liberar o meia Reinier para a primeira semana de treinos da Seleção Sub-17, que se prepara para o mundial da categoria. A alegação do Flamengo era que o time sofreu baixas nos últimos dias por causa de lesões e suspensões e, por isso, não poderia abrir mão de Reinier.

Na CBF, internamente, houve reações negativas à atitude do Flamengo. De todo modo, foi o próprio meia que garantiu a vitória da equipe carioca sobre o Fortaleza, por 2 a 1, nessa quarta (16), no Castelão. Ele fez o gol da virada. O resultado manteve o Flamengo na liderança folgada da competição, oito pontos à frente do Palmeiras.

Para os amistosos de setembro da Seleção, contra Colômbia e Peru, Tite resolveu limitar a convocação de jogadores em atividade no Brasil - no máximo, um por time. Depois, mudou seus critérios.

Veja também:

Fonte: Silvio Alves Barsetti
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade