PUBLICIDADE

Conheça o ex-guitarrista da banda Yes compositor de música referência entre os fãs da NBA

Meio "agressiva" e meio "leve", música de 'Inside the NBA', da TNT, é tão famosa quanto apresentadores da atração

1 jul 2021 20h10
ver comentários
Publicidade

Mesmo os fãs mais casuais da NBA provavelmente se lembram da clássica música-tema dos jogos transmitidos pela NBC durante a era de ouro do basquete nos anos 1990. Eles quase com certeza se lembrarão de que ela foi composta por John Tesh, ex-apresentador de televisão e compositor. Alguns podem até saber que se chama 'Roundball Rock'. A música foi homenageada pela cultura pop no 'Saturday Night Live' e depois consagrada com um vídeo de Tesh explicando de onde a música viera: uma mensagem de correio de voz que ele deixara para si mesmo.

No século 21, outra música tema virou familiar aos fãs da NBA, embora provavelmente não tanto quanto a de Tesh. É a música que marca o início de um dos programas de estúdio mais influentes do esporte, 'Inside the NBA', da TNT. Nesse caso, o compositor da música-tema é virtualmente desconhecido para os espectadores do programa e até mesmo para seus anfitriões. Mas ele é um nome familiar em alguns cantos do fandom de música e um dos compositores mais prolíficos da indústria.

O compositor é Trevor Rabin, ex-guitarrista da banda de rock progressivo Yes. O músico sul-africano foi a força motriz por trás do álbum '90125', um recorde da banda, e da canção 'Owner of a Lonely Heart', seu único hit número 1. Rabin entrou no Hall da Fama do Rock & Roll em 2017 com a banda.

"Eu nem sabia disso, para falar a verdade", disse Ernie Johnson, um dos apresentadores do 'Inside the NBA' e fã do Yes, num telefonema após descobrir que Rabin era o compositor. "Mas é muito legal". Rabin, que mora em Los Angeles, se descreveu como fanático por basquete, principalmente do Lakers. Ele disse que assiste aos jogos "religiosamente" e usa esse tempo para praticar guitarra. Mas, no que diz respeito à música-tema, ele passou quase despercebido.

"Eu me lembro do Shaq dizendo que gostou da música, assim de passagem, mas ninguém nunca me deu os créditos. O Charles Barkley precisa me dar o crédito em alto e bom som. Caso contrário, nunca mais vou torcer para ele", brincou Rabin durante uma entrevista recente, referindo-se a Shaquille O'Neal e Barkley, que apresentam 'Inside the NBA' com Johnson e Kenny Smith.

Rabin, 67 anos, voltou-se para as trilhas sonoras de filmes na década de 1990. Ele vinha demonstrando interesse em orquestração desde sua infância na África do Sul, quando cresceu filho de mãe pianista clássica e pai violinista. Como integrante do Yes, Rabin disse que costumava tentar introduzir componentes orquestrais nas canções.

"Muitas coisas ficaram mais eletrônicas e computadorizadas, mas compor para orquestra sempre foi minha grande paixão", disse Rabin, referindo-se às partituras na tela. "Então decido que vou começar a fazer música para cinema e me lembro do meu empresário dizendo: 'Oh, aquilo lá é uma grande muralha. Só por você ter conseguido uma notoriedade em outras áreas, o cinema vai ser muito difícil'. Mas minha decisão estava tomada. 'Não, eu realmente quero fazer música para cinema'".

Ele rapidamente se tornou um compositor bastante procurado em Hollywood. Só em 1998, os filmes 'Armageddon', 'Jack Frost' e 'Inimigo do Estado' foram lançados com trilhas sonoras de Rabin. Seu trabalho mais famoso provavelmente é a música tema de 'Duelo de Titãs', de 2000. Essa composição foi tocada em novembro de 2008, depois que Barack Obama fez o discurso de aceitação ao vencer a presidência.

Foi o tema de 'Titãs' que colocou Rabin no radar de Craig Barry, então executivo da Turner Sports que supervisiona a produção do estúdio de 'Inside the NBA'. Barry, também fã do Yes, estava fazendo um trabalho de produção para a NBC durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2002 em Salt Lake City - e usou o tema da trilha sonora de 'Titans' para encerrar a transmissão final. Barry então chamou Rabin para retrabalhar a música-tema do programa de estúdio da TNT.

Normalmente, de acordo com Rabin, a rede atualiza os gráficos e outras partes da transmissão - exceto os apresentadores, é claro - a cada três anos ou mais. Mas a música-tema permaneceu a mesma por quase duas décadas. Tornou-se um personagem do programa, da mesma forma que Johnson, O'Neal, Barkley e Smith. (Como o de Tesh, este tema apareceu no 'Saturday Night Live', mas como parte de uma esquete maior sobre 'Inside the NBA').

"Para mim, é uma espécie de assinatura", disse Johnson. "Se alguém está de costas, em casa, fazendo qualquer coisa, com a televisão ligada só para fazer barulho de fundo, esperando alguma coisa, quando esse alguém ouve a música, logo diz, 'OK, começou NBA na TNT'. É como se fosse um selo que diz que a NBA está chegando". Mesmo que a TNT não tenha feito qualquer movimento para criar uma nova música-tema, a atual tem um crítico proeminente: Rabin.

"É uma espécie de aflição terrível que eu tenho", disse ele, acrescentando que também se sente desconfortável assistindo aos filmes para os quais fez trilha. "Quando volto a ouvir tudo que fiz, sempre penso: 'Oh, Deus, por que fiz isso? Eu deveria ter feito aquilo'". Mas toda vez que a música é tocada na transmissão, Rabin recebe um cheque, não importa o quanto ele se arrepie ao ouvi-la. "Eu queria que fossem US$ 15 mil de cada vez, mas infelizmente acho que está mais para 15 centavos", disse Rabin. / Tradução de Renato Prelorentzou

Estadão
Publicidade
Publicidade