PUBLICIDADE

Pioneira no motociclismo, Carrasco dá volta por cima nove meses após grave acidente

276 dias após lesionar a coluna em um acidente no Estoril, Ana Carrasco voltou ao topo do pódio do Mundial de Supersport 300 e escreveu uma das mais belas histórias do motociclismo em 2021

14 jun 2021 11h50
ver comentários
Publicidade
Ana Carrasco venceu em Misano no Mundial de Supersport 300
Ana Carrasco venceu em Misano no Mundial de Supersport 300
Foto: DIvulgação/WSBK / Grande Prêmio

Ana Carrasco é uma mulher notável. Única a vencer um campeonato individual misto da FIM (Federação Internacional de Motociclismo), a espanhola de Múrcia escreveu no último domingo (13) uma das melhores histórias da temporada do motociclismo ao vencer a corrida 2 da etapa de Misano do Mundial de Supersport 300.

Há nove meses, um acidente no Estoril quase abreviou a carreira de Ana. A espanhola sofreu fraturas nas vértebras T4, T5 e T6 e precisou passar por uma delicada cirurgia na coluna. A operação, felizmente, deu certo e não só preservou os movimentos da titular da Provec, mas permitiu o retorno à ativa.

Ana Carrasco precisou de uma cirurgia na coluna após uma forte queda no Estoril
Ana Carrasco precisou de uma cirurgia na coluna após uma forte queda no Estoril
Foto: Provec / Grande Prêmio
Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube!

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Ana ficou com uma enorme cicatriz nas costas, marca de um esporte fisicamente duro e exigente. Mas, mais uma vez, ela provou que as mulheres têm plenas condições de encarar todas as agruras desta modalidade e vencer.

Ao contrário de tantas outras meninas que tentaram a sorte no motociclismo, Carrasco tem o apoio de uma equipe sólida e bem constituída. A Provec, que opera o esforço da Kawasaki no Mundial de Superbike, ofereceu a Ana a melhor oportunidade de uma mulher no esporte. E colhe os frutos desta confiança.

É claro que num universo amplamente dominado por homens, o fato de Carrasco ser mulher e vencer chama atenção. Mas, vivêssemos nós em um mundo livre de sexismo, o feito de domingo seria exaltado independente da identidade do protagonista.

Um atleta que dá a volta por cima depois de uma lesão horrorosa como a que Ana sofreu merece todos os elogios. Carrasco percorreu um longo caminho, passou por um doloroso processo de recuperação, mas encontrou respaldo na equipe para voltar a fazer o que sabe. E assim o fez.

"Estou muito contente, pois o caminho para chegar até aqui foi muito longe. Passei muitos meses afastada da competição e, sem dúvida, foi um retorno difícil", disse Ana. "Não posso estar mais feliz por este resultado, por voltar a ser competitiva e por voltar a vencer uma corrida. Sem dúvida, voltar a vencer aqui em Misano é muito importante para mim e é fantástico poder fazer isso na quarta corrida da temporada. Estou muito contente e agradeço a minha equipe, a Kawasaki, aos patrocinadores e a minha família, porque eles me apoiaram nesses momentos difíceis e me empurraram até o lugar onde estou hoje", continuou.

Superado o desafio da primeira vitória, Carrasco acha que ainda é cedo para falar em título, especialmente pelo tempo que passou afastada da competição.

"O nível do campeonato é realmente alto, por isso, não é fácil lutar depois de meses de ausência. De qualquer forma, de largada em largada, eu tenho cada vez mais sensações positivas em cima da moto, apesar de não ter conseguido pódios neste início de 2021", ponderou. "Mostrei ser bastante rápida. De fato, terminei a corrida anterior na quinta colocação, enquanto que ontem [sábado], em determinado momento, consegui o novo recorde de Misano. Se estou sozinha, estou tranquila, mas tenho de me acostumar com a briga em grupo, o que tem me custado mais do que o esperado", admitiu.

Ana é parte da história do esporte, um modelo para tantas outras meninas que sonham em chegar aos campeonatos mundiais. Tê-la de volta no topo do pódio é mais uma mostra de enorme capacidade e talento que ela possui e mais uma demonstração de que o motociclismo, embora o faça, não precisa discriminar mulheres.

Ana mostrou a força e a coragem que caracteriza pilotos de moto. E essas características não tem sexo.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade