PUBLICIDADE

Russell elogia e diz que "teve muita sorte" em ter Kubica como companheiro de equipe

George Russell detalhou bastante a maneira como a parceria com Robert Kubica, em 2019, ajudou a evoluir como piloto da Fórmula 1

21 set 2021 09h23
ver comentários
Publicidade
Kubica e Russell nos tempos de Williams
Kubica e Russell nos tempos de Williams
Foto: Williams / Grande Prêmio

HAMILTON E VERSTAPPEN DÃO INJEÇÃO DE ÂNIMO NO SONOLENTO GP DA RÚSSIA DE F1? | Paddock GP #257

O caminho de George Russell na Fórmula 1 está desenhado com uma ida para a Mercedes em 2022 após três anos de Williams e evolução a olhos vistos no período. E o piloto inglês não esqueceu o ajudou na construção da carreira: por exemplo, a parceria com Robert Kubica quando ainda era novato na categoria.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Naquela temporada, Kubica voltava à F1 após uma ausência de quase uma década desde o acidente que terminou efetivamente com a carreira promissora que tinha no Mundial. Mesmo muito mais velho, Kubica conseguiu mostrar a Russell o valor de certos atributos de um piloto de alto nível.

"Definitivamente, ser companheiro de equipe de Robert foi algo que eu tive muita sorte de ter. Ele tem muita experiência e conhecimento técnico. Foi um despertar para mim ter Robert como companheiro, eu precisei melhorar, para ser honesto", disse à revista Motorsport Magazine.

Robert Kubica esteve na F1 em 2019 após oito anos fora do grid (Foto: Alfa Romeo)

Paddockast #121: Afinal, quem está certo: Hamilton ou Verstappen? E aonde isso vai parar?

"Sinto que evoluí muito desde 2019. Hoje eu posso vir para a pista e discutir abertamente com os engenheiros sobre diferentes opções de setups e itens e o que eu acredito que funcionaria nesta ou naquela parte da pista ou em uma curva específica e o motivo de tomarmos certas decisões", seguiu.

"O fato de ver como Robert entendia as coisas me beneficiou, sem dúvidas. É algo que me ajudou em 2020 e neste ano depois que Nicholas chegou como novato", contou.

Russell justificou ainda as lágrimas na primeira entrevista depois dos primeiros pontos com a Williams, no GP da Hungria.

"Não diria que fiquei preocupado de jamais vir, mas em muitas ocasiões, quando ficamos muito perto e sempre alguma coisa acontecia, mas lutamos e lutamos, e acho que foi por isso que tudo veio até mim depois da corrida. Quando não desistimos e lutamos de volta apesar de estarmos na pior, e mesmo assim essas pequenas oportunidades se perdem, você pensa 'isso vai acontecer?'. Mas lutamos", finalizou.

A F1 volta já no próximo fim de semana, em Sóchi, com o GP da Rússia.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Por que sorte é só um fator para Williams virar equipe viciada em pontuar na F1

PALOU PÕE MÃO NA TAÇA, BAGNAIA CORRE ATRÁS DO PREJUÍZO E MAURÍCIO BRILHA | Paddock Plus

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade