PUBLICIDADE

Mercedes vê carro "para brigar", mas descarta certeza de que quiques "desapareceram"

James Vowles, diretor de estratégias da Mercedes, apontou que a equipe encontrou um caminho, sim. Mas ainda não dá para dizer que o problema terminou

25 mai 2022 11h17
ver comentários
Publicidade
Hamilton crê em vitória ainda este ano após melhorias da Mercedes na Espanha
Hamilton crê em vitória ainda este ano após melhorias da Mercedes na Espanha
Foto: LAT Images/Mercedes / Grande Prêmio

FÓRMULA 1 2022: VERSTAPPEN VENCE NA ESPANHA E ASSUME LIDERANÇA. FERRARI EM APUROS? | Paddock GP #288

A Mercedes não ganhou o GP da Espanha do último fim de semana, mas foi quem saiu mais feliz. O motivo foi ver o W13 ser, enfim, competitivo e se apresentar como um incômodo tanto para a Ferrari quanto para a Red Bull ao longo da corrida. Mesmo assim, a equipe prega a cautela. Sabe que achou o fio da meada, mas ainda não quer garantir que resolveu de uma vez por todas o problema dos quiques.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Quem afirmou foi o diretor de estratégias da Mercedes, James Vowles, num vídeo publicado pela própria equipe. Vowles garante que a Mercedes encontrou mesmo um caminho para evoluir o carro e se livrar do porpoising - os quiques -, mas é impossível afirmar que o problema não se apresentará novamente ao menos em alguma forma numa pista diferente.

"Tivemos uma de seis corridas em que o carro se comportou bem. Enfim, foi um carro apropriado para correr. Deu para mexer no setup, ajustar bastante e respondeu da maneira que era prevista. O mesmo não podia ser dito para o carro nas primeiras cinco corridas do ano", falou. George Russell e Lewis Hamilton foram, respectivamente, terceiro e quinto colocados na Catalunha.

Russell carregou algumas mudanças no carro da Mercedes e travou bela batalha com Verstappen na Espanha (Foto: Reprodução/F1 TV)

"De qualquer maneira, temos de controlar nossas expectativas. É uma pista que se encaixa com nosso carro já há muitos anos. Temos muito a entender e aprender. Seria errado afirmar que o problemas dos quiques desapareceu", disse.

"Ainda se vê também em nossos competidores, e tenho certeza de que elementos disso vão aparecer novamente conforme seguimos construindo nossa compreensão dessa estrutura que estabelecemos em Barcelona. O que posso dizer é que demos um passo definitivo na direção de entender o que colocamos na pista. Podemos crescer a partir daí. É diferente do que aconteceu nas primeiras cinco corridas", reforçou.

"Temos pistas complicadas vindo aí, Mônaco e Baku, que vão arremessar desafios e surpresas em nossa direção. A diferença agora é que temos um carro bem mais próximo a quem vem à frente: um carro com o qual podemos lutar pelo campeonato", afirmou.

Vowles tocou ainda na questão do superaquecimento do motor. Perto do fim da prova, tanto Russell quanto Hamilton receberam o aviso de que tinham de cuidar do carro porque a temperatura do motor representava um perigo real de abandono. Hamilton tirou bastante o pé e acabou cedendo a quarta colocação a Carlos Sainz.

"Nosso motor estava muito quente. Para dar algum contexto, a temperatura ambiente era de 37°C na corrida: era 36°C na largada e ainda piorou depois. É muito calor, algo incomum para praticamente todos os circuitos do calendário. Os pilotos tiveram de responder a isso cuidando do motor, colocando o carro em ar limpo e recuperando energia. Fizeram um ótimo trabalho levando o carro até o fim", terminou.

A Fórmula 1 retorna já neste fim de semana, em Monte Carlo, com o GP de Mônaco. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.

POR QUE A FÓRMULA 1 2022 COMEÇA AGORA PARA A MERCEDES?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade