PUBLICIDADE

Hamilton quer ficar na F1 para tornar esporte mais inclusivo: "É o que me move"

Com mais dois anos garantidos na Fórmula 1, Lewis Hamilton tem a meta de tornar a categoria mais inclusive e acessível. O campeão reitera a importância também do posicionamento por causas sociais

28 set 2021 14h41
ver comentários
Publicidade
Hamilton quer continuar na F1 para deixar a categoria mais acessível
Hamilton quer continuar na F1 para deixar a categoria mais acessível
Foto: Mercedes/LAT Images / Grande Prêmio

HAMILTON VENCE, MAS MERCEDES SENTE REAÇÃO DE VERSTAPPEN NA F1 2021 | Paddock GP  #258

Com garantia de pelo menos mais dois anos na Fórmula 1, o heptacampeão Lewis Hamilton ainda tem metas a alcançar nas pistas. E não somente de títulos e vitórias: o piloto de 36 anos quer fazer do esporte um lugar mais abrangente, e não só para os pilotos. Lewis afirmou que quer oportunidades na F1 para engenheiros, mecânicos ou pessoas que jamais sonhariam em chegar lá.

Recentemente, o dono do carro #44 salientou as dificuldades que teria, caso sonhasse em ingressar na F1 nos tempos atuais, já que a categoria se tornou um "clube de meninos bilionários". Por isso, ele ressalta a importância de tornar o esporte algo mais acessível.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"O sonho que me move este ano é tornar este esporte mais abrangente, mais inclusivo, um novo caminho dedicado a engenheiros e outras pessoas que nem sequer sonhariam em fazer parte da Fórmula 1. Eu gostaria que todas as equipes fizessem parte disso. Vivemos em um mundo onde muitas pessoas não sabem o que está acontecendo e outras pensam que, se algo não diz respeito a elas, não é preciso fazer nada", afirmou Hamilton, em entrevista à Sky Italia.

2020 foi uma temporada de grande transformação na F1 (Foto: Mercedes/LAT Images)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Voz ativa do esporte, Hamilton sempre apoiou causas sociais, pautas de inclusão e diversidade. No movimento 'Black Lives Matter', mobilizou atletas na luta antirracista. O britânico usa redes sociais também para engajar seu público, falando sobre diversos temas que necessitam de visibilidade.

"Vivemos em um mundo onde é importante fazer sua voz ser ouvida. É uma loucura ouvir essas notícias, como a restrição dos direitos da mulher ao aborto nos Estados Unidos. É uma loucura, não é? E mesmo que, como homem, isso não me diga respeito diretamente, é justo falar sobre isso. É justo apoiar e fazer parte de uma geração que busca mudanças. Isso pode ser feito para qualquer tópico, como mudança climática e direitos humanos", acrescentou.

Vale ressaltar que, para este ano de 2021, Hamilton criou a equipe X44 no grid da Extreme E, competição que é disputada com SUVs elétricas em condições climáticas extremas e em lugares distantes do planeta. As corridas são disputadas em todos os ambientes mais remotos do mundo para demonstrar a performance dos SUVs elétricos para destacar o impacto que a mudança climática já está tendo em tais ecossistemas. Entre as novidades da categoria está a igualdade de gênero, com as equipes tendo de escalar um homem e uma mulher por carro inscrito.

COMO NORRIS NO GP DA RÚSSIA DE F1 LEMBROU BARRICHELLO NO GP DA ALEMANHA 2000

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade