PUBLICIDADE

Hamilton exalta ritmo de "velhos tempos" e se defende por postura "derrotista" na Espanha

Lewis Hamilton pensou em desistir do GP da Espanha quando se viu 30s atrás do último colocado, mas continuou e fez uma ótima corrida de recuperação, ressaltando que o desempenho do W13 o fez recordar as corridas antigas

24 mai 2022 08h05
ver comentários
Publicidade
Lewis Hamilton fez do GP da Espanha uma prova de recuperação
Lewis Hamilton fez do GP da Espanha uma prova de recuperação
Foto: Mercedes / Grande Prêmio

Lewis Hamilton foi um dos destaques do GP da Espanha, mas a história poderia ter sido muito diferente se a Mercedes tivesse concordado com a ideia do inglês de abandonar a corrida em Barcelona para poupar o motor depois do incidente com Kevin Magnussen na primeira volta. Após uma ótima corrida de recuperação e cruzar a linha de chegada em quinto, ele celebrou a performance "como nos velhos tempos" e ainda se defendeu sobre a postura aparentemente "derrotista" no início.

A Mercedes apostou alto com Hamilton desde antes da largada. Único do grid com pneus médios enquanto o resto optava pelo composto mais macio, a estratégia era partir para um stint mais longo no início e fazer duas paradas. Ao inglês, caberia administrar muito bem a borracha, mas tudo foi por água abaixo com o pit-stop extra para trocar o pneu furado após o enrosco com o piloto da Haas.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O incidente com Kevin Magnussen quase pôs a perder a corrida de Hamilton em Barcelona
O incidente com Kevin Magnussen quase pôs a perder a corrida de Hamilton em Barcelona
Foto: Reprodução / Grande Prêmio

"Não fui derrotista, eu estava literalmente 30s atrás", disse o heptacampeão, explicando que, naquele momento, não sabia se usaria "um motor inteiro para ficar em último ou fora do top-15, e ainda poderia receber uma penalidade ou algo do tipo".

A verdade é que o ritmo do remodelado W13 — com um assoalho novo e uma combinação com a asa traseira — deu a Hamilton muito mais do que ele esperava. Toto Wolff chegou a dizer que ele lutaria pela vitória, caso não fosse o infortúnio no início.

"Desde a última corrida do ano [passado], tem sido difícil o tempo todo. As dificuldades que tivemos com o carro, os constantes contratempos com certos problemas, safety-cars e tudo mais, realmente não tivemos muita sorte. Mas prosseguimos avançando e sem desistir. Começar a corrida de forma positiva, depois ter esse problema [com Magnussen na largada], mas ainda assim voltar pareceu como nos velhos tempos, as corridas antigas que fiz. Isso para mim é incrível", salientou.

Por que Mercedes acredita que Hamilton teria chance de vitória no GP da Espanha de F1

O piloto do carro #44 destacou também o avanço das Flechas de Prata no circuito catalão, ressaltando que o resultado conquistado em Barcelona tanto por ele quanto por George Russell — que chegou pela segunda vez ao pódio na temporada — mostra que o time está na direção certa.

Nas voltas finais no GP da Espanha, porém, Hamilton teve de lidar com mais um desafio: um vazamento de água comprometeu o resfriamento do carro, obrigando-o a correr com metade da aceleração. A consequência foi a perda do quarto lugar para Carlos Sainz.

"Não sei se a confiabilidade é um problema. Vimos no final que havia algo. Eu fiquei [pensando], podemos salvar o motor para lutarmos outro dia. Mas estou feliz por não termos feito isso, e isso mostra que você nunca deve parar, nunca deve desistir, e foi o que eu fiz", encerrou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade