PUBLICIDADE

Debilitado e sem água, Pérez define GP dos EUA como "minha corrida mais difícil de todas"

Sergio Pérez enfrentou de tudo um pouco no fim de semana. Com diarreia e resfriado, o mexicano teve de lidar com o forte calor em Austin durante a corrida e ainda ficou sem água

25 out 2021 12h08
ver comentários
Publicidade
Sergio Pérez teve muitas dificuldades para chegar ao pódio nos EUA
Sergio Pérez teve muitas dificuldades para chegar ao pódio nos EUA
Foto: Jared C. Tilton/Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

VERSTAPPEN BATE HAMILTON EM DISPUTA TENSA! TUDO SOBRE O GP DOS EUA | Briefing

Fazer o GP dos Estados Unidos foi um grande desafio para Sergio Pérez. O mexicano passou mal no domingo (24) em Austin, sofreu com diarreia e se apresentou ligeiramente resfriado. Para piorar ainda mais, 'Checo' encarou a disputa, marcada pelo forte calor, perto dos 30ºC de temperatura ambiente, sem conseguir se hidratar em razão de um problema no carro. Não à toa, o piloto descreveu sua jornada como a mais difícil da sua carreira.

Em entrevista coletiva pouco depois da prova no Circuito das Américas, Pérez descreveu o drama depois de ter subido ao pódio graças à conquista do terceiro lugar do GP dos EUA, para delírio da multidão mexicana nas arquibancadas em Austin. Foi o quarto pódio de Sergio na temporada, o segundo consecutivo.

Sergio Pérez passou mal antes do GP dos EUA (Foto: Zak Mauger/Red Bull Content Pool/Getty Images)

"Sofri muito. Não me senti bem pela manhã e fiquei sem água desde a primeira volta. Foi uma loucura. Não consegui beber nada", explicou 'Checo'. "Acho que, no meio do meu segundo stint, começou a ficar muito, muito difícil. Estava completamente perdido", disse o piloto da Red Bull.

"Não tinha forças, estava perdendo força nas mãos, perdendo força nos pés, a visão também estava ficando bem incômoda. Estava no modo de sobrevivência, simplesmente. Se tivesse um momento ruim, não conseguiria controlar o carro, então foi a corrida mais longa da minha vida, sem dúvidas", comentou.

"Acho que foi a minha corrida mais difícil de todas, fisicamente", definiu o piloto.

O melhor para Pérez foi, sem dúvida, receber o amplo apoio da massa latina nas arquibancadas no Circuito das Américas. "Essa é a parte positiva. A energia das pessoas me fez seguir em frente. Minha família estava aqui, queria muito que eles me vissem no pódio. E sim, agora estou ansioso para o GP do México", declarou 'Checo'.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Christian Horner, por sua vez, exaltou a bravura de Pérez e ressaltou a evolução do mexicano como crucial para as batalhas que a Red Bull tem pelos dois títulos em jogo em 2021 na Fórmula 1.

"Ele está um pouco indisposto no fim de semana, está um pouco resfriado, então foi difícil pra ele não ter o sistema de bebida. Mas, novamente, a maneira como ele administrou a corrida… Você pode notar que a confiança dele está crescendo. Foi sua segunda corrida consecutiva no pódio. Sua corrida em casa está chegando e ele está encontrando sua forma, o que é crucial para nós nesta época do ano", concluiu.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade