PUBLICIDADE

Chefe da Mercedes marca reunião com novo presidente da FIA para discutir ações de Masi

Toto Wolff vai conversar com Mohammed Ben Sulayem nesta sexta-feira. Em pauta, serão discutidas as decisões tomadas por Michael Masi no GP de Abu Dhabi

13 jan 2022 11h47
ver comentários
Publicidade
Toto Wolff protagonizou duros embates com Michael Masi em 2021
Toto Wolff protagonizou duros embates com Michael Masi em 2021
Foto: Reprodução / Grande Prêmio

COMO FOI O ANO DOS PILOTOS NOVATOS NA F1 2021?

Desde que assumiu a presidência da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e colocou fim à era de 12 anos de governança de Jean Todt, Mohammed Ben Sulayem tem pela frente o desafio de apagar o incêndio causado por Michael Masi nas voltas finais do polêmico GP de Abu Dhabi. O emiradense tem aproveitado os primeiros dias de 2022 para se reunir e conhecer de perto os chefes da Fórmula 1. Nesta agenda está, também, o encontro com o chefe da Mercedes, Toto Wolff, previsto para acontecer nesta sexta-feira (14), informa o site britânico GP Fans.

A conversa de Ben Sulayem com Wolff vem em meio a um processo de investigação sobre as últimas voltas do GP de Abu Dhabi e as decisões controversas tomadas por Michael Masi, em cenário que prejudicou diretamente Lewis Hamilton na luta contra Max Verstappen pelo título.

Dentre as decisões, o acionamento do safety-car e não da bandeira vermelha após acidente sofrido por Nicholas Latifi, a autorização para que apenas os cinco pilotos retardatários passassem por Hamilton para descontar uma volta, deixando o britânico imediatamente à frente de Verstappen e a autorização da bandeira verde logo em seguida, na volta final da corrida.

Toto Wolff vai se encontrar com Mohammed Ben Sulayem na sexta-feira (Foto: Reprodução/Mercedes)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Segundo a emissora britânica Sky Sports, uma fonte da FIA disse que a "investigação será direta, objetiva e transparente". A expectativa é que a entidade divulgue o resultado até a primeira reunião do Conselho Mundial do Esporte a motor, em 3 de fevereiro.

Na esteira da negativa da FIA em acatar os protestos da Mercedes e, em seguida, da decisão da equipe de não recorrer junto à Corte Arbitral do Esporte, Toto Wolff criticou o que chamou de interpretação freestyle das regras por parte de Masi.

"Esperamos que a comissão não fique só nas palavras, mas, de fato, com boas ações. E vamos responsabilizá-los por essas ações, pois não podemos continuar em um esporte que deve ser um esporte seguido pelo entretenimento e não o contrário", disse Wolff. "Ficamos reféns de decisões tomadas com esta finalidade, em todos os campos ― técnico, esportivo ― e, portanto, precisam haver medidas claras em vigor no início da temporada para que cada piloto, cada equipe e os fãs entendem o que acontece ou não", seguiu.

Mohammed Ben Sulayem tem uma missão espinhosa no início do seu mandato à frente da FIA (Foto: Reprodução/FIA)

"E não foi só o caso de uma decisão ruim. Foi uma interpretação freestyle do regulamento, o que deixou Lewis como um alvo fácil", desabafou. "Foi enormemente duro para ele e para nós como equipe retirarmos a apelação, pois fomos injustiçados. E os acreditamos profundamente que, na Fórmula 1, o pináculo do esporte a motor, um dos esportes mais importantes do mundo, a justiça esteja sendo feita", criticou.

Recentemente, a Sky Sports e a BBC revelaram a existência um 'acordo' entre Mercedes e FIA. A equipe octacampeã mundial topou abandonar o protesto sobre o resultado final da corrida derradeira do ano passado caso a FIA apresente um relatório completo sobre as ocorrências em Yas Marina, além da demissão de Masi e do diretor-técnico de monopostos, Nikolas Tombazis. A Mercedes, consultada pelas duas emissoras, nega a existência deste acordo.

Fato é que, no começo deste ano, a FIA retirou do seu organograma para 2022 exatamente os nomes de Masi e Tombazis, sendo substituídos por apenas um nome: Peter Bayer, secretário-geral de esporte a motor da entidade desde 2017.

Ainda nos últimos dias de 2021, Wolff reforçou que é preciso uma ampla melhora no sistema de tomadas de decisão por parte da direção de prova. E fez um mea culpa sobre o próprio comportamento ao longo da explosiva temporada, marcada também pela rivalidade com Christian Horner, chefe da Red Bull.

"Tenho o receio de que não seja somente uma decisão de trocar o diretor de prova. Todo o sistema de tomada de decisão precisa ser melhorado", declarou o dirigente austríaco em entrevista veiculada pelo site holandês RacingNews365.

"Acho que o diretor de prova certamente está sob grande pressão, e parte disso se deve às nossas próprias falhas", disse o chefe da Mercedes. "Queria uma tomada de decisão mais consistente, algo que poderia ter evitado muitas das controvérsias ao longo do ano. A última foi somente uma decisão de maior impacto. Do ponto de vista esportivo, foi um impacto catastrófico, já que decidiu o Mundial", lamentou.

"Estou confiante de que todos nós, as equipes, os pilotos, a FIA e o esporte em si, podemos renovar a forma como as decisões estão sendo tomadas e tornar o esporte mais forte. Acho que essas situações, por mais dolorosas que sejam, também são uma chance para melhorar o esporte", concluiu.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade