PUBLICIDADE

Catar se diz aberto às críticas e assegura liberdade de expressão dos pilotos da F1

Presidente da Federação de Motor e Motociclismo do Catar afirmou que o país tem trabalhado para melhorar questões trabalhistas e assegurou que os pilotos podem falar o que quiserem. Ida da Fórmula 1 ao país tem sido criticada por ser considerada 'sportwashing'

28 out 2021 08h14
ver comentários
Publicidade
Catar vai receber um GP da Fórmula 1 pela primeira vez em 2021
Catar vai receber um GP da Fórmula 1 pela primeira vez em 2021
Foto: LCR / Grande Prêmio

WILLIAMS-AUDI E McLAREN-PORSCHE: É POSSÍVEL A PARTIR DE 2025-2026 NA F1?

O Catar assegurou a liberdade de expressão dos pilotos durante a passagem da Fórmula 1 do país. De acordo com o presidente da Federação de Motor e Motociclismo do país, Adbulrahman Al Mannai "são livres para dizer o que quiserem" durante a estadia em Losail.

Tradicional casa da abertura das temporadas da MotoGP, o Catar entrou no calendário da F1 de última hora, substituindo o GP da Austrália. No entanto, o país assegurou um contrato de dez anos a partir de 2023, prometendo um novo traçado para a categoria, uma vez que Losail é considerado um 'motódromo'.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Losail vai receber a Fórmula 1 pela primeira vez (Foto: Divulgação)

ANÁLISE

A relação com o Catar, porém, tornou a Fórmula 1 alvo de críticas, já que a Anistia Internacional vê a corrida como uma tática de 'sportwashing', quando países tentam usar o esporte para tentar vender ao mundo uma imagem mais positiva. É a mesma acusação que é feita à Arábia Saudita.

Após a confirmação da corrida, a Anistia Internacional emitiu uma declaração apontando o Catar como um país com histórico "extremamente preocupante" no que diz respeito aos diretos humanos. A organização pediu que a F1 "exija que todos os contratos relativos à corrida contem com rigorosas normas laborais em toda a cadeia de abastecimento".

O Catar é frequentemente acusado de maus tratos e abusos de direitos trabalhistas, inclusive nas obras relacionadas à realização da Copa do Mundo de 2022. Em fevereiro passado, o jornal inglês The Guardian noticiou que, desde que o país venceu a concorrência para realizar o campeonato da FIFA, em 2010, mais de 6,5 mil trabalhadores migrante morreram no país.

De acordo com a reportagem, o Catar usa trabalhadores do sul da Ásia e de partes da África. Ainda segundo a publicação, os trabalhadores que morreram estavam envolvidos em trabalhos perigosos e com mais remuneração, realizadas muitas vezes em condições extremas de calor.

As autoridades responsáveis pela Copa do Mundo, no entanto, apontam números bastante diferentes e estimam que três pessoas tenham morrido em decorrência do trabalho realizado nos estádios, enquanto outras 35 perderam a vida em atividades não relacionadas.

A Anistia Internacional pediu que "pilotos e equipes estejam prontos para falar sobre os direitos humanos no Catar antes da corrida, fazendo a parte deles para quebrar o feitiço do 'sportwashing' e da gestão de imagem".

Falando à agência de notícias AFP, Al Mannai assegurou que os pilotos são livres para dizerem o que quiserem.

"Ficamos felizes em apoiar os pilotos a falarem o que quiserem nas plataformas deles", disse Al Mannai. "Não vemos isso como um problema no Catar, pois eles são livres para dizer o que quiserem", assegurou.

"O Catar está aberto às críticas. O Catar tem trabalhado nós últimos anos para melhorar as coisas no que diz respeito às questões trabalhistas", garantiu.

F1 2021 TEM MELHOR GRID DOS ÚLTIMOS 30 ANOS? | TT GP #36

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade