PUBLICIDADE

Magnussen relembra passagem relâmpago pela Indy e valoriza nível: "Altíssimo"

Kevin Magnussen relembrou passagem relâmpago pela Indy em 2021 e valorizou alto nível da categoria. Dinamarquês voltou ao grid da Fórmula 1 em 2022

15 mai 2022 22h17
| atualizado em 16/5/2022 às 04h47
ver comentários
Publicidade
Kevin Magnussen enfim pilotou o carro da Ganassi na Indy, em Sebring
Kevin Magnussen enfim pilotou o carro da Ganassi na Indy, em Sebring
Foto: Indycar / Grande Prêmio

Uma das sensações da Fórmula 1 em 2022, Kevin Magnussen teve uma passagem relâmpago pela Indy em 2021. O piloto dinamarquês participou do GP de Road America pela McLaren, substituindo o lesionado Felix Rosenqvist. K-Mag acabou abandonando a prova com problemas mecânicos, mas ressaltou o aprendizado e dificuldade na sua passagem pelos Estados Unidos.

De volta ao grid da Fórmula 1 com a Haas, Magnussen relembrou o chamado de última hora feito pela McLaren, e das dificuldades sofridas por andar com o carro pela primeira vez já em um treino livre, sem nenhuma experiência anterior com testes.

"Eu me acostumei ao sentimento de pilotar um Fórmula 1, que é muito diferente da Indy. Quando tive a oportunidade, foram apenas alguns dias antes do evento, então não tive tempo para nada. Sem simulador, sem testes. A primeira vez na Indy foi no treino livre 1, e lá são apenas dois treinos. Eu disse sim, por que diria não? E foi duro", disse em entrevista ao site RaceFans.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Kevin Magnussen se posicionou contra a FIA quanto ao uso de joias
Kevin Magnussen se posicionou contra a FIA quanto ao uso de joias
Foto: Haas F1 Team / Grande Prêmio

Magnussen, que também disputou a temporada 2021 do IMSA, elogiou o alto nível do grid da Indy. O piloto também chegou a participar da pré-temporada de 2022 da categoria antes de ser chamado pela Haas para virar titular e substituir Nikita Mazepin.

"Completamente [competitivo]. Eles são muito bons. É que são coisas diferentes. Eu fui lá e tive dificuldades, acho que estava surpreso pelo quão difícil era pilotar aquele carro. É muito diferente e incomparável, não é fácil. Mas é certamente competitivo, alguns destes pilotos são de altíssimo nível", completou.

McLAREN OU ANDRETTI? É HORA DE ALEXANDER ROSSI ANALISAR FUTURO PELA INDY

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade