PUBLICIDADE

Ericsson mostra confiança com futuro na Indy, mas ressalta: "Preciso ser consistente"

Depois do melhor resultado na Indy, em 2021, Marcus Ericsson vai realizar a terceira temporada seguida na Ganassi, mas espera melhorar em alguns pontos cruciais

21 jan 2022 04h02
ver comentários
Publicidade
Marcus Ericsson falou sobre a experiência na Indy
Marcus Ericsson falou sobre a experiência na Indy
Foto: Indycar / Grande Prêmio

Marcus Ericsson se aproxima de sua quarta temporada consecutiva na Indy, a terceira pela poderosa equipe Ganassi. No ano passado, o sueco conquistou as primeiras vitórias na categoria, em Detroit e Nashville, e terminou o campeonato na sexta colocação. Para 2022, espera muito mais.

Em conversa com jornalistas, em Indianápolis, antes dos testes coletivos da categoria, Marcus comentou sobre o desempenho interno na Ganassi e sobre as provas que venceu no ano passado, além das expectativas para o futuro.

"Estou cada vez mais confiante, entendendo mais da categoria e do carro. Estou em uma equipe muito forte e estamos trabalhando cada vez melhor. Damos o melhor um com o outro", disse Ericsson.

Marcus Ericsson vai fazer a terceira temporada na Ganassi
Marcus Ericsson vai fazer a terceira temporada na Ganassi
Foto: IndyCar / Grande Prêmio

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"Eu gosto muito de corridas de rua, sempre foi bem nesse tipo de circuito, desde Macau na F3. Acho que é mais natural correr nesse tipo de pista. Acho que o ponto que preciso melhorar para brigar pelo título é ser ainda mais consistente nas primeiras colocações. Acho que isso é o mais duro da Indy, você precisa sempre estar entre os 10, cinco primeiros, conquistar vitórias em um grid muito equilibrado. Não é fácil, mas tenho uma equipe fantástica que é capaz de me proporcionar isso", seguiu.

Ericsson também destacou suas duas vitórias obtidas em 2021, comparando seu desempenho atual na Indy com o que teve na Fórmula 1, onde correu por cinco anos seguidos entre Caterham, Sauber e Alfa Romeo, mas sempre longe de pódios ou resultados expressivos.

"Na Fórmula 1 eu estive cinco anos lá e brigar por vitórias ou pódios depende mais da sua equipe do que sua performance. Detroit foi especial, mas acho que em Nashville, segurando o Colton do jeito que foi, foi a atuação da minha carreira", afirmou o sueco.

"Eu ainda tenho muito o que aprender em Indianápolis, mas eu quero muito ter essa vitória. Claro que Le Mans também mexe comigo, como com qualquer piloto de corrida, mas isso eu penso mais para frente", finalizou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade