PUBLICIDADE

FIA demora para tomar decisão em Berlim e provoca novo incômodo na Fórmula E

Edoardo Mortara passou a ser investigado por desrespeitar velocidade do pit-lane ainda antes da largada, mas decisão foi adiada para depois da corrida e causou anticlímax na cerimônia do pódio

14 mai 2022 13h59
ver comentários
Publicidade
Mortara foi ao pódio em Berlim sem saber se poderia perder vitória por punição
Mortara foi ao pódio em Berlim sem saber se poderia perder vitória por punição
Foto: Sam Bloxham/Fórmula E / Grande Prêmio

MUDANÇAS À VISTA! MERCADO DE PILOTOS PEGA FOGO NA FÓRMULA E ÀS VESPERAS DE BERLIM

A vitória de Edoardo Mortara neste sábado (14), na corrida 1 do eP de Berlim, ficou ameaçada durante toda a prova. E não por qualquer adversário — já que o suíço da Venturi venceu quase que de ponta a ponta em Tempelhof —, mas pela FIA. Ainda na primeira parte da disputa, a entidade anunciou que o piloto estava em investigação — no entanto, atrasou a decisão até depois da cerimônia do pódio e causou novo incômodo.

O motivo: Mortara ultrapassou o limite de velocidade permitida no pit-lane quando se encaminhava para o grid de largada, ainda antes da apresentação. Ou seja, o incidente registrado pelo piloto da Venturi aconteceu antes sequer da corrida começar, mas o resultado só foi anunciado mais de uma hora depois do encerramento.

É claro que o fantasma da punição pairou sobre o suíço, que evitou fazer qualquer tipo de celebração efusiva na saída do carro, durante a entrevista ou até mesmo no lugar mais alto do pódio. A demora na decisão da FIA dava esperanças aos demais concorrentes, cientes da possibilidade de herdarem a vitória mesmo sem cruzarem a linha de chegada no primeiro lugar.

Tensão durou até depois da corrida, mas vitória de Mortara em Berlim foi confirmada (Foto: Fórmula E)

Após a corrida, depois de todo o mistério — até porque durante a disputa não houve sequer um momento polêmico ou que necessitasse de atenção extrema da direção de prova —, foi anunciado que o piloto receberá apenas uma punição financeira de € 1.200 (aproximadamente R$ 6.320), mantendo a posição em que terminou a disputa.

A reflexão que fica é: será que não faria mais sentido para a própria categoria anunciar a punição enquanto a corrida estava em andamento? Deixar todos cientes de qual seria o resultado é sempre a melhor opção, já que permite uma festa justa no pódio e a sensação de que a corrida foi definida dentro da pista, ainda mais no caso de uma punição financeira.

Se a punição já estava prevista em regulamento, não faz absolutamente nenhum sentido que a decisão seja postergada até depois da corrida. Caso não estivesse, a disputa em Berlim não requisitou tanta atenção dos comissários a ponto de não poderem avaliar a situação ainda no início — ou até mesmo na metade — da disputa.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Guindaste na pista de Diriyah ameaçou segurança da corrida e expôs dificuldade da FIA em tomar decisões de forma rápida (Foto: Reprodução/Twitter)

Diretor de provas da FIA na Fórmula E, Scot Elkins vem se notabilizando cada vez mais por acompanhar a dificuldade da entidade em tomar algumas decisões rapidamente: em destaque, a demora na punição de Mortara neste sábado e a dificuldade com a remoção da Mahindra de Alexander Sims ainda na primeira etapa da temporada, em Diriyah — quando até mesmo um guindaste chegou a estar presente na pista ao mesmo tempo em que os carros.

No caso de uma corrida extremamente movimentada, em que a direção de prova é requisitada a todo momento, é perfeitamente compreensível que certas decisões — que possuem um grau menor de importância — demorem um pouco mais. Em um incidente registrado antes mesmo da largada e que poderia influenciar diretamente no vencedor da disputa, não. Bola fora da FIA — mais uma vez.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade