0

Mercedes comprometida pela altitude e calor na Áustria

29 jun 2019
16h23
  • separator
  • 0
  • comentários

A Mercedes está tendo um final de semana menos competitivo no Grande Prêmio da Áustria, devido à combinação de alta altitude e altas temperaturas na pista, revelou o diretor da equipe, Toto Wolff.

Mercedes comprometida pela altitude e calor na Áustria
Mercedes comprometida pela altitude e calor na Áustria
Foto: Mercedes / F1Mania

No espaço de uma semana, a equipe passou de 0,646 segundos mais rápido do que a Ferrari na qualificação para 0,259s atrás. Wolff disse que a combinação de pressão de ar mais baixa e condições mais quentes na pista, comprometeram o desempenho de seu W10.

“Há áreas em que acredito que há um desempenho que poderíamos ter otimizado”, disse Wolff após a qualificação. "Não é um traçado que se adapte ao nosso pacote no momento, e sempre soubemos disso. É um reflexo realista de onde nosso carro está".

"Nosso carro foi muito dominante em Paul Ricard, por exemplo, mas sabíamos que com a altitude aqui e a desvantagem da velocidade de resfriamento em linha reta que temos no momento, isso poderia ser muito difícil. Eu acho que a qualificação reflete o nível relativo de desempenho."

O Red Bull Ring está situado 660 metros acima do nível do mar, tornando-se a terceira pista mais alta do calendário da F1 atrás de Interlagos (764m) e do Autodromo Hermanos Rodriguez (2.200m). Wolff admitiu que o carro da Ferrari funciona melhor na combinação de condições que as equipes estão enfrentando neste fim de semana.

“A maneira como funciona nosso carro, é um pouco pior no resfriamento”, disse ele. "Se você adicionar esses dois fatores de altitude e calor juntos, isso nos coloca em uma situação comprometida, que nós apenas temos que abrir mais do que gostaríamos. Então eles fizeram um trabalho melhor nessa área."

Lewis Hamilton disse na quinta-feira que espera que a equipe tenha que fazer concessões em seu carro para melhorar seu resfriamento.

"Aqui é uma das corridas mais difíceis. No ano passado, tivemos um abandono duplo. Então, com certeza, você imagina que todos os engenheiros estão um pouco nervosos, porque está muito quente aqui, e fica a 700 metros de altitude aqui".

“Há apenas 10 curvas, mas os carros estão sempre no limite em termos de resfriamento. Os carros são mais pesados este ano, então os freios ficam ainda piores. E eles acabam tendo que abrir o carro para criar resfriamento e isso é sempre pior para o carro aerodinamicamente, então você perde desempenho. Algumas equipes precisam fazer menos que outras", concluiu.

Confira os últimos vídeos do canal da F1MANIA no YouTube – ePRIX da SUÍÇA | Melhores Momentos | 11ª etapa Fórmula E 2018/19:

Análise: Vettel CULPADO ou INOCENTE no GP do Canadá? partc. Sérgio Milani. Veja abaixo:

GP DO BRASIL 2020 será realizado no RIO DE JANEIRO, diz JAIR BOLSONARO:

Vídeo mostra o traçado do novo AUTÓDROMO de DEODORO no RIO DE JANEIRO

FÉRIAS F1MANIA | Pilotamos uma FERRARI 488 GTB no SPEEDVEGAS:

F1Mania
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade