0

Cowell afirma que a Mercedes F1 se beneficiou do desenvolvimento da equipe na Fórmula E

15 fev 2020
13h53
  • separator
  • 0
  • comentários

Andy Cowell, chefe de desenvolvimento de motores da Mercedes, disse que sua equipe de Fórmula 1 se beneficiou de sua contraparte na Fórmula E, ao melhorar seu sistema híbrido para a temporada 2020.

Foto: Mercedes
Foto: Mercedes
Foto: F1Mania

Chamada de Mercedes-Benz EQ na FE, a equipe estreou na categoria elétrica no final de novembro do ano passado, com Stoffel Vandoorne terminando em terceiro nas duas primeiras corridas no ePrix de Diriyah.

Cowell diz que parte do desenvolvimento que o lado da FE fez, foi repassado para a equipe de F1 antes da temporada 2020.

“A Fórmula E é um campeonato fascinante, com o motor elétrico como o único dispositivo de propulsão do carro”, disse ele no lançamento do Mercedes W11, citado pelo GrandPrix247.

"Portanto, as eficiências desse motor elétrico, do inversor e de todos os sistemas de controle são fundamentais, e a entrega da precisão do torque é crucial".

“Parte do aprendizado de desenvolvimento já retornou à Fórmula 1, então em Melbourne este ano, nosso sistema híbrido de Fórmula 1 se beneficiará do nosso trabalho de desenvolvimento na Fórmula E.”

A equipe iniciou a era turbo-híbrida V6 com uma clara vantagem de potência em 2014, com os rivais demorando alguns anos para alcançá-los e desafiá-los.

Mas Cowell afirma que nos últimos anos tem sido mais difícil ter que lidar com problemas de refrigeração do motor, algo em que eles estão se concentrando neste ano.

“No início do ano passado, a capacidade de refrigeração do nosso carro era insuficiente, o que resultou em algumas corridas desafiadoras”, ele admitiu.

"Para este ano, estamos fazendo um esforço significativo para garantir que todos os fluidos de refrigeração da unidade de potência operem a uma temperatura mais alta".

"Isso aumenta a diferença de temperatura entre o fluido refrigerante e a temperatura ambiente em que estamos competindo, o que aumenta a eficácia do sistema de refrigeração".

“Mas esse é um desafio difícil, porque grandes partes do motor são feitas de alumínio e as temperaturas em que estamos operando significam que as propriedades do material estão decaindo rapidamente".

“Gerenciar isso em um ciclo de oito corridas de unidades de potência é um desafio difícil de engenharia, mas é por isso que estamos nos esforçando”, acrescentou.

Quer assistir ao vivo às corridas da Indy e Superbike? Acesse http://f1mania.vc/4K e experimente a DAZN grátis por 1 mês!

Receba as notícias da F1Mania pelo WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/F9GwK1YT4yACqHsym6pqu8

Inscreva-se em nosso canal no YouTube: https://www.youtube.com/user/f1mania?sub_confirmation=1

Está no ar o Episódio #2 do Podcast F1Mania Mundo Afora – Brasileiros rumo à F1 e novidades na Indy. A análise é dos jornalistas especializados em esporte a motor Alexander Grünwald, Felipe Giacomelli e Leonardo Marson. Ouça:

Ouça no Spotify – https://f1mania.vc/auV
Ouça no Google Play Music – https://f1mania.vc/auU
Ouça no Deezer – https://f1mania.vc/auX
Ouça no iTunes – https://podcasts.apple.com/us/podcast/f1mania-podcast/id1496336264

Confira os últimos vídeos do canal da F1MANIA no YouTube. McLaren revela o MCL35 para a temporada 2020 da F1:

Red Bull mostra primeiras imagens do RB16 na pista:

Ferrari apresenta o SF1000 para a F1 2020:

F1Mania visita homenagens a Ayrton Senna em Ímola:

Fórmula 1 faz tributo à Ayrton Senna no Parque do Ibirapuera:

Pilotamos Lamborghini, McLaren e Mercedes em Las Vegas:

Veja também:

F1Mania
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade