0

Cinco meses após acidente, Zanardi é transferido para hospital em Pádua

Ex-piloto de F-1 passou por várias cirurgias em hospitais de Siena e Milão para estabilizar seu estado de saúde e reconstruir seu rosto

21 nov 2020
12h02
atualizado às 12h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Ex-piloto de Fórmula 1 e estrela do esporte paralímpico, o italiano Alessandro Zanardi foi transferido para um hospital em Pádua nesta sábado para continuar sua recuperação, mais de cinco meses depois de se ferir gravemente em um acidente sofrido durante uma prova de ciclismo paralímpico.

Zanardi passou por várias cirurgias em hospitais de Siena e depois em Milão para estabilizar seu estado de saúde e reconstruir seu rosto, severamente machucado após se colidir com um caminhão durante um evento de revezamento perto da cidade toscana de Pienza em 19 de junho. Na ocasião, ele perdeu o controle da sua bicicleta de mão em uma descida, em uma curva, indo para a pista oposta, batendo na contramão no veículo.

"O paciente atingiu um estado físico e neurológico em geral estável, uma condição que permitiu sua transferência para outro hospital equipado com todos as especialidades clínicas necessárias e mais perto da casa da sua família", anunciou o hospital San Raffaele, de Milão, em um comunicado.

Zanardi, de 54 anos, sofreu graves traumas faciais e cranianos no acidente e foi colocado em coma induzido. Os médicos alertaram sobre o risco de que ele sofresse danos cerebrais.

O italiano perdeu as duas pernas em um acidente automobilístico em 2001, em prova da Cart, na Alemanha. Antes, competiu na Fórmula 1 entre 1991 e 1994, depois indo para o automobilismo norte-americano, onde foi campeão na Cart em 1997 e 1998, regressando no ano seguinte para a F-1.

Mesmo após o acidente, i italiano ainda seguiria envolvido no automobilismo, mas aos poucos passou a se concentrar no esporte paralímpico. Ele ganhou quatro medalhas de ouro e duas pratas nos Jogos de 2012 e 2016. O italiano também competiu na Maratona de Nova York e estabeleceu um recorde de ironman em sua classe.

Veja também:

Confira a repercussão da morte de Maradona na Argentina e pelo mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade