PUBLICIDADE

Al-Attiyah consolida campanha tranquila e vence Dakar pela quarta vez nos carros

Nasser Al-Attiyah igualou Ari Vatanen e se tornou o segundo maior campeão do Rali Dakar na competição dos carros. Ao lado do navegador Mathieu Baumel, o catariano vivenciou jornada tranquila rumo ao tetra

14 jan 2022 09h17
ver comentários
Publicidade
Matthieu Baumel e Nasser Al-Attiyah comemoram título do Dakar
Matthieu Baumel e Nasser Al-Attiyah comemoram título do Dakar
Foto: Charly Lopez/ASO / Grande Prêmio

CAIU MICHAEL MASI. E AGORA, HAMILTON CORRE NA F1 2022?

12ª etapa - Bisha - Jedá

Deslocamento: 516 km

Trecho cronometrado: 164 km

Percurso total: 680 km

Pela quarta vez na carreira, Nasser Al-Attiyah é campeão do Rali Dakar. O catariano de 51 anos, piloto e também medalhista olímpico, dominou a disputa do maior rali do mundo na edição 2022 do início ao fim e liderou todos os 12 dias de prova na Arábia Saudita. Enquanto nadou de braçada ao lado do navegador francês Mathieu Baumel no seu Toyota Hilux, os concorrentes diretos pela vitória enfrentaram problemas de todo o tipo: Sébastien Loeb, quem mais tinha chances reais de concorrer com Nasser, sofreu com dois pneus furados a bordo do carro da Prodrive e perdeu muito tempo na terceira especial, enquanto Stéphane Peterhansel e Carlos Sainz fizeram o Dakar com o novíssimo protótipo elétrico da Audi, o RS Q e-tron, que já se mostrou competitivo, em que pese estar em fase ainda inicial de desenvolvimento.

Com o projeto bastante consolidado da Toyota, Nasser usou e abusou da experiência, tirou proveito dos problemas dos adversários e, em que pese toda a dominância ao longo da prova, escapou ainda de uma punição que, esta sim, poderia comprometer por completo sua jornada rumo ao título.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Nasser Al-Attiyah cumprimenta o vice-campeão do Dakar 2022, Sébastien Loeb (Foto: F.Gooden/DPPI/ASO)

No fim do segundo dia de prova, a FIA detectou que o sistema de registro de dados do motor do seu Toyota Hilux estava desconectado. Segundo o artigo 13.1.2 do Regulamento Desportivo estabelecido pela entidade para a disputa da prova, parte agora do Mundial, tal infração é passível até de desclassificação. Mas a FIA perdoou Al-Attiyah pelo fato de ter sido a primeira vez que houve a infração da regra e determinou punição bem mais branda: uma multa de € 5 mil (ou R$ 32 mil).

Ao longo de toda a prova, Nasser e Baumel controlaram uma vantagem para Loeb e seu navegador, Fabian Lurquin, sempre em torno de 30 minutos. Já na metade final da prova, a dupla da Toyota passou a administrar a vantagem para chegar à rampa da vitória, em Jedá, e confirmar a conquista do título. O triunfo na Arábia Saudita igualou Nasser a outra lenda do Dakar: Ari Vatanen, vencedor do maior rali do mundo também em quatro oportunidades.

Na especial desta sexta-feira, entre Bisha e Jedá, a vitória ficou com outro carro da Toyota, o Hilux #225 pilotado pelo sul-africano Henk Lategan e navegado pelo compatriota Brett Cummings. Peterhansel, que finalizou um rali muito bom para a Audi neste início de projeto do RS Q e-tron, terminou a etapa em segundo com o navegador Edouard Boulanger, enquanto os sul-africanos Brian Baragwanath e Leonard Cremer, da Century, fecharam em terceiro, logo à frente de Loeb e Lurquin.

Matthieu Baumel e Nasser Al-Attiyah festejam o título do Dakar 2022 (Foto: F.Gooden/DPPI/ASO)

Destaque também para a dupla brasileira formada por Marcelo Gastaldi e Cadu Sachs, que terminaram a etapa desta sexta-feira em sétimo com o buggy da Century, enquanto Al-Attiyah e Baumel só administraram e terminaram em 19º, mais que o bastante para, no tempo total de prova, terminarem com ampla margem para Loeb e Lurquin.

Na classificação geral da prova, Al-Attiyah e Baumel terminaram o Dakar 2022 com tempo total de prova em 38h33min03s, 27min46s de vantagem para Loeb e Lurquin. O saudita Yazeed Al Rajhi, ao lado do navegador britânico Michael Orr, terminou em terceiro na disputa dos carros a bordo de Toyota Hilux preparado pela Overdrive. Orlando Terranova, piloto argentino que competiu ao lado do navegador espanhol Daniel Oliveras Carreras no protótipo Prodrive da Bahrain Raid Xtreme, foi o quarto no geral, à frente do campeão de 2009, o sul-africano Giniel de Villiers, da Toyota, que competiu ao lado do compatriota, o navegador Dennis Murphy.

Carlos Sainz, vencedor de quatro especiais do Dakar, terminou a prova deste ano em 12º na classificação geral ao lado do navegador Lucas Cruz, enquanto Peterhansel e Boulanger, em um rali com muitos problemas — o que se reflete também nas 46h19min de punições — terminaram em 55º. Marcelo Gastaldi e Cadu Sachs finalizaram o Dakar 2022 em 30º no geral, a 10h43min26s do tempo de Nasser e Baumel.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade