0

Athletico-PR visita Jorge Wilstermann na busca por melhorar desempenho longe de casa

Atuar fora não tem sido nada fácil para o clube brasileiro no ano: são somente quatro vitórias em 15 partidas, e três derrotas seguidas

14 set 2020
19h17
atualizado às 19h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Athletico-PR tem dois desafios esta noite, na volta da disputa de fase de grupos da Libertadores: a altitude de Cochabamba e seu fraco desempenho fora de casa na temporada. Diante do Jorge Wilstermann, às 19h15, no Estádio Felix Capriles, a quase 2,6 mil metros acima do nível do mar, a equipe brasileira tentará acabar com os altos e baixos no ano para não se complicar no grupo mais equilibrado da competição.

Todos os times da chave somam três pontos após duas rodadas, com o Wilstermann na ponta pelo saldo de gols, e quem quiser se sobressair necessitará de resultados positivos atuando como visitante. E atuar longe de casa não tem sido nada fácil para o Athletico-PR no ano. São somente quatro vitórias em 15 partidas, e três derrotas seguidas.

Para complicar ainda mais a tarefa, o jovem técnico Eduardo Barros, de apenas 35 anos, tem problemas para armar a equipe. O zagueiro Thiago Heleno (não joga na altitude por causa de pré disposição genética sanguínea), o goleiro reserva Jandrei (suspenso) e os meias Léo Citadini e Nikão (machucados) estão fora do jogo.

Sem os dois armadores titulares, o Athletico jogará reforçado na marcação, com três volantes e com o atacante Geuvânio mais recuado tentando fazer a bola chegar nos jovens Fabinho e Bissoli, na frente.

Mesmo com improviso e a campanha aquém do esperado fora de Curitiba, o discurso é otimista. Graças ao triunfo no clássico diante do Coritiba, por 1 a 0, no sábado. "A gente chega na Bolívia carregado de confiança. Nós precisávamos retomar um ambiente de crença em nossa equipe e nos jogadores que aqui estão", disse Eduardo Ramos, que pediu para o time esquecer quem está fora e valorizar e confiar nos escalados.

Ano passado o Athletico-PR também caiu na chave do Jorge Wilstermann na Libertadores e acabou derrotado em Cochabamba por 3 a 2.

A diferença é que agora o Jorge Wilstermann está sem ritmo de jogo pelo fato de o Campeonato Boliviano não ter sido retomado por causa da pandemia de covid-19. Será o primeiro jogo oficial dos donos da casa nesta volta do futebol.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade