1 evento ao vivo

Sumido, Ronaldinho para em ferrolho e sai sob vaias a meia hora do fim

17 jul 2013
23h56
atualizado em 18/7/2013 às 00h04
  • separator
  • 0
  • comentários

11 passes, uma finalização – errada – e nenhuma boa jogada. A participação de Ronaldinho em sua primeira final de Copa Libertadores na carreira foi de se esquecer. Nesta quarta-feira, com seu principal jogador apagadíssimo, o Atlético-MG caiu em visita ao Olimpia-PAR por 2 a 0, no Defensores Del Chaco. E a atuação de Ronaldinho não passou despercebida a Cuca.

Libertadores da América 2013Final

OlimpiaolpOlimpia2
0Atlético-MGAtlético-MGcam-s

  • Alejandro Silva 22 ' (1T)
  • Wilson Pittoni 48 ' (2T)
    2013-07-18 00:50 GMT-000 (D) FinalizadoDefensores del Chaco
    Cercado pela marcação, Ronaldinho tenta jogada no campo ofensivo
    Cercado pela marcação, Ronaldinho tenta jogada no campo ofensivo
    Foto: AP

    A meia hora do fim do jogo, com um Atlético-MG sem imaginação e totalmente dominado por um Olimpia-PAR aguerrido e ofensivo, o treinador sacou Ronaldinho e também Luan para as entradas de Guilherme, o novo armador, e também Rosinei. Não houve um progresso gritante, mas a equipe atleticana diminuiu o massacre dos paraguaios e teve até a chance de empatar, com Jô. Em bela assistência de Guilherme.

    Sacar Ronaldinho não é um hábito frequente de Cuca. Em outras 21 partidas desta temporada, só uma vez o camisa 10 não completou 90 minutos. Em 2012, de 32 partidas com a camisa atleticana, Ronaldinho só não terminou quatro. Os números confirmam que a atuação do jogador, poupado no fim de semana contra o Corinthians, foi muito abaixo da média.

    A atuação decepcionante do jogador mais decisivo desta Copa Libertadores foi facilmente percebida pelos paraguaios. Ao ver a placa de substituição subir com o número 10, o Defensores Del Chaco foi tomado por uma imensa vaia, a maior de 90 minutos desta quarta. Ronaldinho parecia incrédulo e olhou por uma fração de segundos até se dirigir à beira do gramado. Rosinei ainda deu dois passos e tocou sua mão.

    Nas outras duas finais mais importantes de sua carreira, Ronaldinho teve atuações apagadas. Pelo Barcelona contra o Arsenal, na Liga dos Campeões de 2006, era a estrela do momento, mas passou longe de decidir. Na Copa do Mundo de 2002, também foi apagado em Brasil x Alemanha, mas ficou com o título outra vez. Na próxima quarta, no Mineirão, os atleticanos esperam mais de Ronaldinho.

    Fonte: Terra
    • separator
    • 0
    • comentários
    publicidade