PUBLICIDADE

Wall St ensaia recuperação antes de Fed e com apoio de Microsoft

26 jan 2022 11h50
| atualizado às 13h15
ver comentários
Publicidade

Os principais índices de Wall Street subiam nesta quarta-feira, após duas sessões turbulentas e antes da decisão de política monetário do banco central norte-americano, com uma perspectiva forte da Microsoft impulsionando ações de tecnologia.

Às 13h05 (de Brasília), o índice S&P 500 ganhava 0,97%, a 4.398,61 pontos, enquanto o Dow Jones subia 0,65%, a 34.520,34 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite avançava 1,58%, a 13.753,27 pontos.

A decisão do Fed será divulgada às 16h (de Brasília). O mercado espera que o banco central sinalize o início de um ciclo de alta da taxa de juros a partir de março.

O anúncio será seguido por entrevista coletiva do chair do Fed, Jerome Powell, cujas falas serão analisadas por investidores que buscam pistas sobre a magnitude e o ritmo dos aumentos para o ano e a estratégia para encolher o balanço patrimonial do banco central, de aproximadamente 9 trilhões de dólares.

"O maior desafio do Fed é descobrir como implementar medidas de política monetária que sejam duras o suficiente para reduzir a inflação, mas que também mantenham os mercados financeiros respirando, porque a volatilidade nos mercados financeiros pode fazer sangrar uma economia que já mostra sinais de desaceleração", disse Danielle DiMartino Booth, diretor executivo da Quill Intelligence em Dallas.

"O Fed se depara com a escolha do menor de dois males."

Dez dos 11 principais setores do S&P avançavam no dia, com tecnologia e consumo discricionário na dianteira.

Microsoft Corp ganhava 4,8%, após estimar receita para o trimestre atual amplamente acima das estimativas de mercado, impulsionada em parte por seus negócios na nuvem. A fabricante de chips Texas Instruments Inc subia 4,6%, depois de também oferecer uma perspectiva forte.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade