PUBLICIDADE

Veja 10 setores com franquias que custam até R$ 15 mil

Associação do setor põe nesse ramo negócios que exigem investimento inicial de até R$ 80 mil, mas há casos em que R$ 5 mil são suficientes

14 jul 2014 08h00
| atualizado em 23/6/2015 às 16h44
ver comentários
Publicidade
Uma microfranquia pode ser montada em casa, sobretudo empresas da área de serviço
Uma microfranquia pode ser montada em casa, sobretudo empresas da área de serviço
Foto: Daria Filimonova/ Shutterstock

McDonald’s, Habib’s, Bob’s, Ibis, PBKids... Em geral, as marcas mais renomadas são as primeiras que vêm à mente quando se pensa em franquias. Mas quem quer entrar nesse mercado não precisa, e frequentemente não pode, ficar restrito a esses grandes (e caros) nomes. Escolher uma microfranquia, que exige investimento inicial modesto, é uma boa alternativa.

A Associação Brasileira de Franchising classifica de microfranquias aquelas que requerem aporte de até R$ 80 mil. Mas há casos em que R$ 5 mil são suficientes para começar a tocar o negócio – valor que envolve taxa de franquia e capital para instalar a empresa, mas não inclui itens como funcionários e impostos.

De qualquer modo, é bom deixar um pé-de-meia adicional até que o empreendimento comece a dar retorno. “Em geral, o mercado adota o prazo entre 24 e 36 meses. No entanto, esse tempo pode sofrer variações, de acordo com o desempenho do franqueado, as condições de mercado e o suporte oferecido pela franqueadora para impulsionar o crescimento do negócio”, afirma Claudia Bittencourt, sócia e diretora geral do Grupo Bittencourt, que dá consultoria empresarial em diferentes frentes.

Em alguns casos, pode-se montar a empresa em casa mesmo, o que economiza tempo e dinheiro no dia a dia. “Os custos são menores, porque não precisa locar um espaço para trabalhar e não precisa se deslocar para o escritório”, pontua André Friedheim, sócio da consultoria Francap e diretor de relações exteriores da ABF. A solução é comum principalmente em empresas de prestação de serviço, como reforço escolar, personal stylist, home care e limpeza doméstica.

Tocar o negócio, nesse ramo, significa fazer de tudo. “O perfil de microfranqueado é o self-made man. Ele é responsável pela cobrança, pela gestão, pela venda...”, afirma Friedheim. Por isso, avalia, é preciso ter uma veia comercial forte e manter-se motivado.

“Muitas vezes um candidato entra numa microfranquia como um treino para uma franquia grande, como se fosse um estágio. A pessoa pode até achar que vai perder pouco dinheiro porque o investimento é menor, mas a dedicação é fundamental. Dinheiro não aceita desaforo”, diz Friedheim.

Fonte: PrimaPagina
Publicidade
Publicidade