5 eventos ao vivo

Shoppings virtuais potencializam tráfego de e-commerces

29 out 2015
07h00
  • separator
  • comentários

O principal desafio dos e-commerces recém-criados é atrair tráfego para sua página e, consequentemente, impulsionar as vendas. Pensando em ampliar a exposição de sua marca na internet, muitas empresas têm recorrido com sucesso aos chamados shoppings virtuais, sites que reúnem produtos ou serviços oferecidos por terceiros.

Após ser mãe, educadora cria rede de papinha orgânica

Gabriel Lima, sócio-fundador da consultoria em comércio eletrônico eNext, afirma que a principal vantagem de se aderir a um marketplace, ou shopping virtual, é o baixo custo para atrair usuários. “Enquanto os gastos com marketing para adquirir novos usuários podem superar 20% do faturamento bruto, é possível ter ótimos resultados com os shoppings virtuais investindo entre 10% e 15% da receita”, explica.

Marketplaces podem gerar um aumento de cerca de 20% nas vendas
Marketplaces podem gerar um aumento de cerca de 20% nas vendas
Foto: baloon111 / Shutterstock

Para ele, a adesão a um ou mais marketplaces é benéfica para todos os tipos de e-commerce. A grande questão, no entanto, é saber em qual modelo de shopping virtual investir: os de massa, como Submarino e Mercado Livre, ou os de nicho, como a Estante Virtual, por exemplo, especializada em livros. “Os primeiros geram grande exposição, mas a taxa de conversão de vendas é menor. Já nos segundos o tráfego gerado não é tão grande, mas são pessoas com interesse na sua área de atuação.”

Uma característica bastante peculiar do mercado brasileiro torna ainda mais interessante a adesão a mais de um shopping virtual. “Em todos os países do mundo, existe um marketplace de massa que domina o mercado. Porém, isso não acontece no Brasil, onde existem alguns sites que dividem essa preferência. Assim, o pequeno empresário tem uma boa possibilidade de discutir preços e até fechar com mais de um para ampliar sua visibilidade”, recomenda Gabriel.

Para destacar seu negócio entre os concorrentes presentes em um shopping virtual, o especialista ressalta a importância de uma atenção redobrada no cadastro dos produtos. “A exposição no marketplace é similar à de buscadores como Google. É preciso saber usar as palavras-chave e estar atento a como as outras empresas vêm posicionando os produtos delas.”

Outro ponto fundamental é gerar poucas reclamações, pois isso também influencia na posição que seus produtos vão aparecer. “O e-commerce precisa se preparar para um aumento de demanda de cerca de 20%, e criar uma estrutura que dê suporte a isso e não resulte em atrasos de entregas, por exemplo”, completa.

Fonte: PrimaPagina

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade