0

Os maiores mitos que impedem você de ter boa oratória

A boa oratória é uma habilidade e, como todas as habilidades, vem com esforço, dedicação e técnica. Pode ser desenvolvida e não é um dom.

30 nov 2017
08h02
atualizado às 08h03
  • separator
  • comentários

Olá, Speakers! Como vocês estão?

Já sabemos que a internet é uma das melhores coisas da atualidade, não é?

Na web, encontramos dicas de especialistas sobre os mais variados assuntos, podemos ver vídeos tutoriais e até mesmo fazer cursos, como os cursos de oratória da The Speaker.

Através dos sites e das redes sociais, as pessoas se informam sobre absolutamente tudo, inclusive, sobre oratória. Mas será que todo o conteúdo que circula na internet é verdade? Nem sempre, Speakers.

Pensando nisso, na nossa conversa de hoje, vamos esclarecer alguns mitos sobre oratória. Gostou da ideia? Então, vamos lá!

Foto: Estilo Ap

Ser um orador influente é um dom

Esse talvez seja o mito que mais escuto por aí, Speakers. E, justamente porque é um dos mais divulgados, precisamos desmenti-lo sempre.

Nunca se esqueça disso: a boa oratória é uma HABILIDADE e, como todas as habilidades, vem com esforço, dedicação e técnica.

Pode ser verdade que algumas pessoas tenham maior facilidade para falar em público. Outras, por sua vez, têm mais dificuldades, seja por timidez ou por falta de orientação. Mas todos nós temos o potencial de nos tornarmos bons comunicadores, ok?

Existem técnicas para sabermos falar em público. Quando nos familiarizamos com elas, temos grandes chances de fazermos apresentações inspiradoras e bem sucedidas!

Bons comunicadores sempre têm grande capacidade de memorizar discursos

Muitas pessoas pensam que ser um bom orador significa decorar discursos com facilidade. Não se enganem, Speakers: uma boa apresentação não depende de falas bem memorizadas.

Na verdade, já sabemos que decorar a nossa fala pode até mesmo prejudicar a apresentação, não é verdade? Quando decoramos o nosso discurso, tendemos a estar mais nervosos. Além disso, se o orador se preocupa muito em seguir o que decorou, terá poucas chances de ser espontâneo.

Os melhores comunicadores não decoram suas falas, mas praticam a sua apresentação com antecedência, o que dá maior segurança na hora de falar em público.

Faça um roteiro com as palavras-chave e treine a sua apresentação ao invés de perder horas e horas tentando decorar frase por frase, certo?

A forma não é tão importante quanto o conteúdo

Será que ter um bom conteúdo é sinônimo de uma boa apresentação? Não, Speakers. Hoje em dia, mais que nunca, a FORMA como falamos algo é tão importante quanto O QUE falamos.

Existem pessoas que entendem muitíssimo sobre determinado assunto, mas não sabem como comunicar isso para os outros. Então, no fim das contas, de nada adianta ser um especialista em algo, se não passamos toda essa informação adiante.

Quando você tiver que planejar uma apresentação, dedique-se ao conteúdo: faça quantas pesquisas forem necessárias, busque outras opiniões e traga dados interessantes, mas não se esqueça de se dedicar à oratória.

Pense na melhor forma de chamar a atenção do público para que todo o seu conteúdo seja entendido, ok?

Pausas são sinônimo de despreparo e insegurança

Esse é um dos grandes mitos da oratória, Speakers. Muitos comunicadores pensam que as pausas podem dar a impressão de fraqueza ou despreparo. Na realidade, saber usar o silêncio é um dos grandes passos para ser um bom orador.

As pausas são muito importantes nas apresentações. Elas dão tempo para que os ouvintes assimilem o que foi falado e evitam que o raciocínio se perca em frases muito longas. Não tenha medo de usar o silêncio, Speaker. Bons comunicadores usam esse recurso para que seus discursos fiquem mais emotivos e interessantes.

Falar alto ajuda a prender a atenção do público

Não. Dez vezes, não. Para entender esse mito, vamos imaginar juntos uma situação que praticamente todo mundo já viveu. Você está no ônibus, cansado depois de um longo dia de trabalho, e alguém resolve escutar música sem fones. Isso é bastante irritante, não é?

Numa apresentação, se o orador fala muito alto, as pessoas se sentem exatamente como você se sentiu no ônibus: incomodadas.

Quando falamos muito alto, despertamos a antipatia das pessoas. E, logo, fazemos com que elas sejam antipáticas ao que estamos dizendo. Procure falar em volumes médios, certo, Speakers?

Uma boa apresentação sempre tem slides

Se o assunto são os slides, podemos passar horas conversando, Speakers. A grande tendência é usar cada vez menos esses recursos, mas, em alguns casos, eles são bastante úteis.

Uma boa apresentação sempre tem slides? Não.

Uma boa apresentação pode ter slides? Sim!

Para nos decidirmos se usaremos ou não os slides, temos que pensar se eles serão realmente úteis. Por exemplo: se a sua apresentação tem muitos dados, tabelas e estatísticas, esse recurso ajuda o público a entender melhor e a visualizar o que você está dizendo.

Quando a sua apresentação não tem tantos dados e se baseia em histórias pessoais, por exemplo, não há a necessidade de usar slides.

Existem algumas dicas para fazermos bons slides, como, por exemplo:

- Evitar textos longos

- Ter bastante atenção com a ortografia

- Sempre que possível, substituir textos por imagens

Podemos citar muitos outros mitos em relação a oratória, mas esses são os que julgo mais importantes. Procure sempre lembrar deles, ok?

Para evitar qualquer deslize, tome sempre muito cuidado com o que lê na internet sobre oratória e, se possível, tire dúvidas e cheque informações com quem realmente sabe do assunto.

Se você quer se especializar, sugerimos que faça um curso presencial ou online de oratória. Para decidir qual dessas modalidades é a melhor pra você, confira a nossa conversa sobre isso no blog.

Na The Speaker, você pode fazer cursos online e presenciais, sempre com a orientação de profissionais que entendem de comunicação e querem ajudá-lo a ser um bom comunicador (e passar bem longe dos mitos sobre oratória!). Te esperamos!

Fonte: The Speaker

 

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade