1 evento ao vivo

Não cometa estes 7 erros mortais da oratória!

Conheça alguns erros que podem colocar em risco a qualidade de uma apresentação em público.

11 abr 2018
09h46
atualizado às 09h54
  • separator
  • comentários

Oi, Speakers! Tudo bem com vocês?

Uma forma bastante eficaz de aprender a ter uma oratória mais assertiva é conhecer alguns erros que podem colocar em risco a qualidade de uma apresentação em público.

Esses erros são mais comuns do que imaginamos e, se você anda cometendo alguns deles, pode ser um sinal de que é preciso dedicar um tempo a mais para aperfeiçoar as suas habilidades de comunicação.

Pensando nisso, no texto de hoje, resolvi trazer uma lista com os erros mortais da oratória. Erros que, para mim – e para quem entende de comunicação –, devem ser evitados a qualquer custo.

Foto: ShutterStock

Ficaram curiosos? Então, vamos lá!

1. Começar a apresentação pedindo desculpas

Quando falo sobre esse erro, é preciso estar atento a dois aspectos: o primeiro deles é ter em mente que a introdução de uma apresentação em público é um momento muito importante. Afinal, são nos primeiros minutos da sua fala que você ganhará – ou não – a atenção das pessoas na plateia.

O segundo tem a ver com o ato de pedir desculpas. Pedir desculpas durante a sua apresentação demonstra insegurança e pouca credibilidade. Obviamente, há exceções. Use o bom senso e saiba quando as desculpas são realmente necessárias, ok?

2. Fugir do tema

Se você divulgou a sua apresentação dizendo que será sobre o tema X, fale sobre o tema X. Afinal, as pessoas estão aí porque se interessam por esse tema e porque, de alguma forma, ele será útil para as suas vidas.

Fugir do tema é um enorme desrespeito com quem está assistindo à sua apresentação. Além disso, pode ser entendido como falta de credibilidade, como se você não estivesse preparado o suficiente para falar sobre o que prometeu.

3. Falar o tempo inteiro sobre si mesmo

Se você conhece alguém que só fala sobre si mesmo, sabe o quão irritante é esse hábito. Imagine: se, no dia a dia, já é difícil, imagine durante uma apresentação, onde, supostamente, o foco deveria estar em um conteúdo específico?

Trazer experiências pessoais e contar a própria história podem ser formas bastante eficientes de chegar até o público. No entanto, não exagere. Não conte todos os seus diplomas ou cursos. Lembre-se: o foco é sempre o conteúdo.

3. Usar muitos termos técnicos ou frases de nicho

Speakers, já foi o tempo em que “falar difícil” era uma qualidade, certo? Hoje, com a rapidez das redes sociais e a necessidade crescente de ser entendido por um número amplo de pessoas, falar de forma acessível é o melhor modo de se comunicar.

Por isso, tente substituir termos técnicos e palavras de nicho por outras. Também é aconselhável utilizar frases curtas. Os grandes comunicadores da história adotam esse estilo. Pensem nisso!

4. Ler slides (ou textos de apoio)

Não! Mil vezes, não! Ler slides ou textos de apoio acaba com qualquer apresentação. A não ser que você queira citar a fala de alguém (e que essa fala seja curta), evite ler. As pessoas tendem a ter dificuldades para assimilar o que é lido e isso acontece, em grande parte, porque, ao ler, o comunicador não mantém contato visual com o seu público.

A melhor saída é se preparar com antecedência, praticar a sua apresentação e, assim, poder abordar tudo o que quer sem ter a necessidade de ler algum slide ou texto.

5. Os vícios de linguagem

É muito difícil encontrar alguém que, naturalmente, não tenha vícios de linguagem, como “né?”, “tá?”, “ok?”, “daí”, “aí”, “então”, “entende?”, entre outros. Ainda assim, quando uma fala é recheada por essas expressões viciosas, acaba atrapalhando a apresentação em público.

Vícios de linguagem, quando usados excessivamente, são muito irritantes. As chances de que o seu público pare de prestar atenção no conteúdo da sua fala e passe a apenas focar nos seus vícios é bem grande.

Uma boa ideia é praticar a sua fala e gravá-la. Com esse simples hábito, você consegue identificar seus vícios e pode se treinar para deixar de utilizá-los.

6. Uso inadequado do humor

Se bem empregado, o humor é uma ótima ferramenta comunicacional. Ele ajuda a ganhar a atenção das pessoas e a tonar uma apresentação em público mais interessante. Mas é preciso saber usar essa ferramenta, afinal, piadas sem graça, de cunho preconceituoso (machista, homofóbico, racista, xenofóbico, entre outras..), prejudicam a sua imagem e, consequentemente, a sua apresentação.

Se você não sabe como utilizar o humor, simplesmente não use. Existem outras formas e técnicas para fazer com que uma exposição oral seja interessante e divertida.

7. Não respeitar o tempo da apresentação

Quando uma apresentação é divulgada, geralmente é informado o tempo de duração. Desrespeitar esse tempo é uma atitude bastante mal-educada. Não adianta pedir desculpas (já vimos que fazer isso é um erro) e dizer que levará uns minutos a mais para concluir. Respeitar o tempo previsto é sempre a melhor opção.

É importante ter em mente que as apresentações têm um limite de tempo por um motivo: o público tende a deixar de prestar atenção em falas muito longas. Por isso, cumpra o que foi planejado e use apenas o tempo destinado a você.

E aí, vocês cometem muitos desses erros? Se precisarem de ajuda para ter uma oratória mais assertiva, conte com a The Speaker!

Fontes:

www.thespeaker.com.br

The Speaker

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade