0

Auditoria interna ajuda a tornar pequeno negócio mais eficaz

Atividade é ainda mais importante no caso de negócios familiares, onde as brechas para a ocorrência de erros e fraudes são maiores

23 set 2015
07h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Em tempos de crise, reduzir custos e aumentar a eficiência são necessidades tanto de grandes quanto de pequenas empresas. Apesar disso, ainda são poucos negócios de menor porte que recorrem à auditoria interna como ferramenta para minimizar a ocorrência erros, desvios ou fraudes.

Como uma pequena empresa pode atrair e reter talentos?

De acordo com João Góes, proprietário da consultoria empresarial Góes & Associados, a auditoria interna tem por objetivo aprimorar processos e evitar gastos desnecessários, gerando um aumento da rentabilidade do negócio. “No caso dos negócios de menor porte, que normalmente não têm um corpo técnico qualificado e dedicado à administração dos negócios, são grandes as oportunidade de melhorar e qualificar suas operações por meio da auditoria”, afirma.

Auditoria interna tem por objetivo aprimorar processos e evitar gastos desnecessários
Auditoria interna tem por objetivo aprimorar processos e evitar gastos desnecessários
Foto: PathDoc / Shutterstock

Marcus Sperandio, sócio diretor da área de auditoria e consultoria da Assessor Bordin, afirma que uma das principais barreiras para uma adoção desta atividade em maior escala é a falta de conhecimento sobre seus benefícios.

“Tem muito empresário que acha que é algo voltado apenas às grandes corporações e acaba investindo em coisas mais imediatas, como máquinas e equipamentos. Ainda é pequena a preocupação com controle, avaliação de resultados e processos ou aumento de eficiência neste setor”, aponta.

No entanto, João Góes afirma que os honorários da auditoria normalmente são proporcionais ao tamanho e ao escopo dos trabalhos. Além disso, o retorno pode ser exponencial, seja pela recuperação de um crédito tributário não observado ou pela compra desnecessária de um estoque.

Marcus acrescenta que, como os custos para a manutenção de um auditor interno fixo geralmente são elevados para o pequeno negócio, é possível contratar um especialista que visite o local periodicamente, se adequando às necessidades da empresa. A prática é ainda mais recomendada em negócios familiares, onde as relações se desenvolvem na base da confiança, abrindo brechas para a ocorrência de erros ou fraudes.

“Mesmo nos casos onde não há má fé, é comum encontrar neste tipo de empresa um parente que desempenha uma função sem estar capacitado, e ele acaba tomando decisões que prejudicam as finanças. Também é bastante recomendado nos casos que envolvam estoque e circulação de mercadorias, como nas áreas de vestuário e alimentação”, diz.

Por outro lado, nas empresas de serviços, ou naquelas que contam com uma estrutura mais enxuta e o dono está sempre presente na operação, a auditoria interna se faz menos necessária. “Nestes casos, uma boa alternativa é que o proprietário participe de cursos de melhores práticas de gestão, e incorpore por conta própria novos procedimentos e métodos de avaliação”, completa.

Fonte: PrimaPagina
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade