PUBLICIDADE

UE aceita trégua parcial com os EUA sobre tarifas de Trump

17 mai 2021 09h59
ver comentários
Publicidade

A União Europeia aceitou uma trégua parcial com os Estados Unidos numa disputa envolvendo tarifas de metais impostas pelo ex-presidente Donald Trump, e em iniciar discussões sobre a supercapacidade global e as políticas de distorção do comércio da China.

Bandeira da União Europeia rodeada por bandeiras de países da região. 8/5/2021.  REUTERS/Yves Herman
Bandeira da União Europeia rodeada por bandeiras de países da região. 8/5/2021. REUTERS/Yves Herman
Foto: Reuters

A Comissão Europeia, que supervisiona a política comercial da UE, disse nesta segunda-feira que suspenderá o planejado aumento de tarifas de retaliação por até seis meses, que abarcariam produtos norte-americanos que vão desde batom a calçados esportivos e dobraria para 50% as taxas sobre uísque bourbon, motocicletas e barcos a motor, em 1 de junho.

Em declaração conjunta, Bruxelas e Washington disseram que, como aliados, poderiam promover padrões elevados, abordar preocupações comuns "e responsabilizar países como a China que apoiam políticas que distorcem o comércio".

As discussões buscariam soluções antes do final do ano para a questão da supercapacidade global de aço e alumínio.

Os Estados Unidos manterão suas tarifas de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio, que também se aplicam às importações da China, Índia, Noruega, Rússia, Suíça e Turquia.

O governo Trump citou razões de segurança nacional dos EUA como base para suas tarifas sobre metais - medidas pelas quais produtores de aço como a Thyssenkrupp e Voestalpine disseram ter sido afetados.

A UE negou que suas exportações representem qualquer ameaça à segurança e respondeu colocando suas próprias tarifas em 2,8 bilhões de euros sobre produtos norte-americanos. Estes também seguirão em vigor.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade