0

Trump chama Fed de "louco" e diz que ainda tem "muito mais a fazer sobre a China" em entrevista à Fox

12 out 2018
10h21
  • separator
  • comentários

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, renovou as críticas contra o Federal Reserve nesta quinta-feira, dizendo que a política de juros da autoridade monetária norte-americana é "ridícula" e está tornando mais caro para seu governo financiar o seu déficit crescente.

Presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com jornalistas no Salão Oval da Casa Branca em Washington  10/10/2018.  REUTERS/Jonathan Ernst
Presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com jornalistas no Salão Oval da Casa Branca em Washington 10/10/2018. REUTERS/Jonathan Ernst
Foto: Reuters

"Estou pagando juros a uma taxa alta por causa do nosso Fed. E eu gostaria que nosso Fed não fosse tão agressivo porque acho que eles estão cometendo um grande erro", disse Trump em entrevista ao programa "Fox & Friends".

Este foi o seu segundo ataque contra o banco central dos Estados Unidos nas últimas 24 horas, após um queda em Wall Street parcialmente atribuída a investidores que se ajustaram totalmente aos aumentos constantes dos juros pelo Fed, e a um aumento em particular nos rendimentos dos títulos de longo prazo do Tesouro norte-americano, que são uma alternativa importante e mais segura ao investimento em ações.

O conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, rapidamente disse que o Fed estava "no alvo" em políticas que estavam respondendo a uma economia forte.

O aumento das taxas de juros é "um sinal de saúde econômica, algo que deve ser bem-vindo e não temido", disse Kudlow à rede de TV CNBC. "O presidente não está ditando a política para o Fed ... Eles são independentes. Eles vão fazer o que vão fazer."

Outros presidentes dos EUA já criticaram o banco central, mas esta foi uma crítica incomum até mesmo para Trump. Desde o fechamento da sessão de quarta-feira de Wall Street, ele chamou o Fed de "louco", "maluco" e "ridículo", e classificou os aumentos dos juros de "agressivos demais" e "um grande erro". Os mercados acionários do EUA abriram em queda nesta quinta-feira.

"O problema que tenho é com o Fed. O Fed está ficando louco. Quer dizer, eu não sei qual é o problema deles, mas eles estão aumentando as taxas de juros e isso é ridículo", disse Trump na noite de quarta-feira. "O problema na minha opinião são os Treasuries e o Fed. O Fed está ficando louco e não há razão para fazer isso e não estou feliz com isso. "

Uma autoridade do Fed disse que o banco central não comentará as declarações do presidente.

Líderes econômicos globais, incluindo o chefe do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, defenderam o Fed, observando que a independência da política monetária da influência de autoridades eleitas tornou-se um marco de governança econômica eficaz e ajuda a impedir que políticos usem dinheiro barato para seus próprios interesses.

Nas reuniões do FMI em Bali, Lagarde disse que "não associaria" o presidente do Fed, Jerome Powell, "à loucura".

O Fed elevou as taxas de juros no mês passado, e espera-se que o faça novamente em dezembro. Autoridades do Fed, incluindo Powell, o presidente escolhido por Trump, disseram enfaticamente que não serão influenciados por comentários de autoridades eleitas e tomarão decisões com base em dados econômicos.

Até agora, isso foi forte o suficiente para garantir aumentos constantes nas taxas, um sinal da perspectiva do Fed de que a economia se recuperou completamente da crise financeira de 2007 a 2009. Um pouco acima de 2 por cento, a taxa de juros de curto prazo do Fed permanece baixa pelos padrões históricos, e as condições financeiras ainda são consideradas frouxas e propícias ao crescimento econômico.

O rendimento do título de 10 anos do Tesouro norte-americano subiu para cerca de 3,1 por cento, em comparação com cerca de 2,1 por cento no ano passado.

As taxas de juros gradualmente crescentes, dizem as autoridades do Fed, buscam evitar um aumento rápido da inflação, enquanto permanecem baixas o suficiente para que a recuperação econômica e a forte geração do emprego continuem.

CHINA

O presidente norte-americano também afirmou que suas políticas econômicas e comerciais prejudicaram a economia da China e que ainda há muito mais que ele pode fazer.

"Eu tenho muito mais o que fazer", disse Trump em entrevista ao programa da Fox News, acrescentando que as pessoas na China viveram bem demais por muito tempo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade