PUBLICIDADE

Transição de carreira: como planejar a sua

Está feliz no trabalho? Hora de planejar sua transição de carreira!

10 mai 2022 04h00
ver comentários
Publicidade
Foto: Pixabay

Sem dúvidas, o melhor momento para planejar uma transição de carreira, é quando se está empregado e feliz. No entanto, na maioria das vezes, quem está feliz no trabalho, não se imagina fazendo outra coisa e acaba não sentindo que há necessidade de pensar num plano B.

Já quem não anda tão feliz assim, costuma se movimentar mais, fazer networking e pensar em alternativas de renda, que permitam sair do emprego atual.

Com isso em mente eu quero conversar com quem está no momento ideal e com quem está na correria pra mudar de trabalho! Bora?

Acredite, a vida se apresenta tão dinâmica e mutável, que é pouco provável que a mesma atividade vá nos satisfazer por muito tempo. Então, primeiro tenha a certeza que está tudo bem querer novos desafios, ter mais propósito nas ações, mesmo que isso represente o fim  de um ciclo. E digo mais, o contrato de trabalho é bilateral, você pode desistir e seu contratante também, então não se deve manter todas as fichas aí, porque em alguns casos, a transição de carreira se faz necessária, mesmo contra a vontade.

Por essas e outras que é sempre bom termos o plano B, ainda que engavetado. Pode ser uma transição pequena, quando se muda apenas de empresa para fazer algo parecido, ou grande, como abrir o próprio negócio, sem relação com as atividades que executa hoje. 

Pras menores, minha recomendação é de manter o networking sempre aquecido, porque se você só tem amigos na empresa em que trabalha, vão te faltar indicações e elas são bem importantes para uma recolocação mais efetiva. Manter currículo atualizado, perfil do Linkedin em dia e seguir fazendo cursos e participando de eventos é essencial ― estar ativo e ser visto, seguramente vai ajudar.

Já para quem quer sair do mundo corporativo para empreender, a forma mais segura é iniciar seu negócio enquanto ainda tem emprego e renda, pois há uma chance de que as coisas não saiam como planejado e mesmo que o dinheiro não entre nos primeiros meses, você vai precisar se manter e continuar investindo na sua empreitada. 

Mas não só! Ter uma grana guardada faz toda diferença nesse momento. Seja porque você mudou de empresa e não se adaptou à nova e vai ter que recomeçar as buscas, ou porque você decidiu se demitir e se dedicar ao negócio, e a gente sabe que todo começo é complicado.

Essa reserva precisa ser criada e alimentada com um objetivo muito bem definido: o momento de transição de carreira. Com isso quero dizer que talvez não dê pra trocar de carro, reformar o apartamento, viajar nessas férias. Quando você quer muito que algo aconteça e o prazo é curto, precisa focar naquilo e, naturalmente, desfocar de outros objetivos para concentrar sua energia e esforço.

Parece um pouco injusto, eu sei, por isso que o melhor momento de planejar a transição é quando você está empregado e feliz, porque assim você tem tempo pra escolher o melhor caminho, não precisa se preocupar em enxugar todos os gastos, nem abrir mão de dedicar seu tempo e recursos para o que deseja realizar agora. Basta poupar um pouco de dinheiro pra quando esse tempo chegar e aos poucos estudar, experimentar novas atividades. Sem pressão é mais fácil, eu fiz assim e recomendo.

Transição de carreira: como planejar a sua:

Pra quem não me conhece muito bem, fiz minha transição de carreira há 1 ano e meio. Trabalhei durante 13 anos em um banco, passei por várias áreas, de atendente de telemarketing à gestora de educação financeira, e durante todo o tempo eu fiz economias e realizei desejos. Mas nos últimos 6 anos percebi que um dos sonhos era ser consultora e trabalhar exclusivamente ajudando pessoas a se organizarem financeiramente. Claro que precisei começar por mim mesma e fui me preparando para isso, fiz muitos cursos, atendi muitas pessoas, aprendi a palestrar, escrever artigos, até me sentir pronta profissionalmente e financeiramente para dar esse passo. E adivinhe, foi muito tranquilo e natural e é por isso que eu quero que você tente trilhar esse caminho do planejamento.

Defina um prazo para sua transição, depois quanto dinheiro você vai precisar para se manter e investir na nova empreitada, na sequência entenda se precisa de algum tipo de formação para isso. Com o plano traçado, só falta o foco para continuar, pois tendo passado por essas etapas, significa que você já começou seu processo de transição e agora é só seguir e nem pensar em desistir!

(*) Mari Ferreira é especialista em educação financeira, consultora, palestrante, criadora de conteúdo e autora do livro “Tostão Furado: Do Zero à Liberdade Financeira”.

Homework Homework
Publicidade
Publicidade