2 eventos ao vivo

Tom negativo do exterior contamina Ibovespa, que ainda acompanha Previdência

25 set 2019
11h29
  • separator
  • 0
  • comentários

O tom negativo dos mercados internacionais contamina o humor dos investidores domésticos nesta quarta-feira, 25. Eles já vêm de uma postura cautelosa após o adiamento na votação do texto da reforma previdenciária na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e no plenário para a próxima semana.

As principais commodities no exterior cedem e atingem as principais ações do Ibovespa: petróleo cai quase 2% e o minério de ferro fechou com recuo de 0,54% na China.

As incertezas relacionadas ao impasse comercial entre Pequim e os Estados Unidos recrudesceram depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, criticou o país asiático. Na seara política norte-americana, investidores também acompanham a notícia de que a Câmara dos Deputados dos EUA abriu inquérito para possível impeachment do presidente Trump.

"Havia uma expectativa positiva em relação ao andamento das conversas sino-americanas, mas agora a crítica do presidente dos EUA complica, e a China não se intimidou. Isso pode atrasar ainda mais essa questão que já vem se arrastando há tempos", diz um operador.

Em discurso ontem na Assembleia Geral da ONU, Trump, voltou a acusar a China de manipular o câmbio e disse que não aceitará um acordo comercial "ruim" com o país asiático. Um dia antes, havia a expectativa de que as duas partes iriam retomar negociações comerciais em duas semanas.

Em resposta aos comentários de Trump, a China alertou que a separação das economias chinesa e norte-americana é uma rota que levaria a "problemas infinitos" para ambos os países.

"O desempenho lá fora não é muito bom, o exterior pesa na Bolsa, mas não acredito em perdas significativas, pois ontem Nova York sentiu essas questões, enquanto o Ibovespa já havia fechado. Hoje, os índices futuros cedem, mas nem tanto. Então, a queda na Bolsa brasileira pode não ser tão expressiva", completa o profissional.

Além da questão externa, o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria Integrada, acrescenta que a incerteza em relação ao avanço da reforma da Previdência gera mal estar. "Ninguém contava com um fato novo, como esse atraso", diz.

Conforme ele, se a agenda for atrasada em um torno de uma semana, isso não tende a atrapalhar, a provocar desconforto. "Mas acaba gerando algum ruído, alguma incerteza", afirma. No entanto, se o processo se arrastar, se houver retrocesso, podem comprometer a agenda reformista.

Às 11h04, o Ibovespa caía 0,34%, aos 103.523,61 pontos.

Em Nova York, os índices acionários tinham sinais mistos, com leve alta do Dow Jones e quedas de 0,41% do Nasdaq e de 0,21% do S&P 500, enquanto as bolsas europeias tinham declínio significativo, em meio a dúvidas sobre o Brexit.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade