PUBLICIDADE

Títulos prefixados caem a mínima em 18 meses com salto nas taxas de juros de mercado

21 out 2021 14h18
ver comentários
Publicidade

Os títulos de renda fixa tinham forte queda no preço nesta quinta-feira, com o valor dos prefixados descendo a uma mínima em um ano e meio, reflexo de uma onda tomadora de taxa que está nocauteando contratos de juros desde a B3 até os mercados secundário e primário de papel.

Os DIs chegaram a subir 60 pontos-base mais cedo, o que golpeou em cheio os preços dos títulos.

O IRF-M 1+ --índice da Anbima que acompanha a evolução de preços de uma carteira teórica de títulos prefixados com prazo igual ou superior a um ano-- caía 0,9% no começo da tarde, para uma mínima desde abril do ano passado --período em que os mercados ainda sentiam o baque inicial da pandemia de Covid-19.

O índice IMA-B 5+ --que segue preços de títulos corrigidos pela inflação com vencimento igual ou superior a cinco anos-- perdia 0,81%, para a menor leitura em um ano.

O Tesouro Nacional fez colocação de pré e pós-fixados em leilão nesta quinta, mas concentrou a oferta em LFTs (corrigidas pela taxa Selic), o que derrubou o PVBP (uma medida de colocação de risco no mercado) a mínimas vistas pela última vez em setembro.

No mercado secundário, a LTN com vencimento em janeiro de 2022 sofria a maior queda em seis semanas, e o papel para janeiro de 2026 cedia 1,4% (queda bastante expressiva para um título público), indo ao menor patamar desde maio do ano passado.

Os títulos brasileiros emitidos no exterior também caíam. O Global 28 emitido em 2017 tinha baixa de 0,3%, para o menor patamar desde também maio de 2020. No acumulado de 2021, a queda no preço é de 7,5%.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade